São Bonifácio de Mogûncia – Pai dos povos germânicos

O pequeno Vinfrido descobriu no claustro beneditino o segredo para o triunfo sobre si mesmo, sobre a barbárie e sobre os infernos. De seu zelo apostólico, coroado pelo martírio, o povo germânico nasceria para Cristo.

 

São Bonifácio – vitral da Igreja de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro e Santo Afonso, Montevidéu

B elas paradas militares, cidades eximiamente organizadas, suculentas salsichadas, bosques cuja disposição obedece a uma impecável regularidade: eis alguns dos indiscutíveis encantos da Alemanha.Neles brilha a inocência em ordem de batalha, que cativa, impacta e desperta admiração. Frutos autênticos de um povo civilizado e afeito à disciplina, estes e inúmeros outros aspectos floresceram, sob as bênçãos da Santa Igreja, ao calor de almas valorosas que marcaram a História.Detenhamo-nos nestas linhas a contemplar uma delas: o homem providencial ao qual coube por missão cristianizar os povos de além do Reno e oferecer por eles sua vida em holocausto.

Deste infatigável apóstolo escrevia um antigo biógrafo: “Ao santo Bispo Bonifácio podem chamar pai todos os habitantes da Germânia, porque ele os gerou para Cristo com a palavra da santa pregação, os confirmou com os seus exemplos e, finalmente, veio a dar por eles a vida, o que é a maior prova de amor”.[1]

Beneditino aos cinco anos de idade

Recuemos agora a finais do século VII, quando a vida sublime, disciplinada e cheia de elevação da Ordem de São Bento ia se expandindo pela Europa. Verdadeiras fábricas de heróis, suas abadias formavam varões e damas num regime de equilíbrio e sacralidade propício a ordenar as tendências da natureza rumo a ideais de grande envergadura.

As almas que ali se santificavam na fidelidade ao seu fundador, seu carisma e sua regra tornavam-se aptas às viagens e façanhas mais ousadas, às artes e pensamentos mais elaborados, aos sofrimentos e martírios mais terríveis, para glória de Deus e benefício do próximo.

Também a Inglaterra, recentemente cristianizada por Santo Agostinho de Cantuária, havia-se deixado cativar pelas graças beneditinas. E foi ali que nasceu, por volta do ano 680, um menino que rapidamente se enleva por esse modo de viver. Com apenas cinco anos de idade, Vinfrido, de família anglo-saxã, pede para ingressar numa abadia. Seu pai resiste, por julgá-lo ainda muito criança, mas dois anos depois permite sua entrada no mosteiro de Nursling.

Educado na sábia regra de “ora et labora”, o pequeno aprende Latim, Métrica, Poesia e Exegese. Quando já adolescente, torna-se professor de Gramática Latina, compõe várias poesias nessa língua e escreve alguns tratados.

Torna-se um homem sacral

A par da brilhante cultura, sua alma é lapidada nas virtudes próprias a um religioso. Pela obediência conquista o domínio sobre sua própria vontade; pela castidade assemelha-se aos Anjos; pela humildade aprende a querer o máximo não para si, mas para a glória de Deus; pela oração e contemplação sobe até o Céu, realizando todas as suas atividades com a mente posta nos mais altos patamares sobrenaturais.

Torna-se, assim, um homem sacral, que não se contenta em possuir no seu interior a sublimidade da graça, mas deseja conquistar para Deus toda a terra. Sinal da autenticidade de seus anseios é a disposição de vencer qualquer obstáculo e de aceitar todos os desafios interiores e exteriores.

Vinfrido é ordenado sacerdote no ano 710, quando contava, provavelmente, trinta anos de idade. Convocado o Concílio de Wessex, recebe uma delicada missão junto ao Arcebispo de Cantuária, na qual obtém tal sucesso que logo sua fama começa a se espalhar. Ao dar-se conta disso, pede permissão a seu abade para ser missionário, renunciando a qualquer prestígio mundano.

A primeira missão fracassa

Os olhos do santo presbítero se voltam para um povo inculto, mas cheio de vigor. E, tendo antes se encomendado a inúmeras comunidades religiosas, que passaram a rezar pelo êxito de seu empreendimento, no ano 716 desembarca nas costas da Frísia, nas proximidades da atual Utrecht.

Após alguns meses auxiliando no seu apostolado o Bispo São Vilibrordo, vê-se obrigado a retornar à pátria, sem ter obtido muito sucesso. Mas a alma de Vinfrido, temperada nas austeridades do claustro, sabia enfrentar os fracassos com galhardia. Tomando esse insucesso como um desafio, decide preparar-se melhor e esperar uma ocasião propícia para voltar à carga.

Visando munir-se dos mais poderosos meios, aos quais nem os infernos nem mesmo os Céus resistem, dirige-se em 718 a Roma para pedir cartas de apoio ao Papa Gregório II. Ciente do valor daquele varão, o Pontífice mantém-no por um tempo junto a si e, no ano seguinte, com uma carta datada de 15 de maio de 719, envia-o à Germânia com o objetivo de levar a Palavra de Deus aos povos ainda mergulhados nas trevas da idolatria. A fim de consagrar tal mandado, dá-lhe o nome de Bonifácio.

Abatendo o carvalho sagrado

Ao chegar ao coração do território germano, Bonifácio vê o grande labor que tem a desenvolver. A pequena comunidade cristã ali existente encontrava-se em tal decadência que os seus membros chegavam a participar de cultos e banquetes em honra ao deus Thor.

De forma incansável põe-se a campo para atraí-los à verdadeira Religião e, como primeira providência, pede auxílio a seus caros monges da Inglaterra, muitos dos quais, atendendo a seu apelo, logo acorreram à aquelas terras para eles selvagens e ignotas. Graças a eles, as regiões de Hesse e Turíngia tornam-se, assim, objeto de constantes pregações e missões.

Em certo momento, o Santo decide abater o carvalho “sagrado” de Thor, para demonstrar àquelas almas a impotência dos ídolos e arrancá-las pelas raízes da falsa religião.

Elevado sobre a montanha de Gudenberg, em Geismar, ao oeste de Fritzlar, ele constituía o símbolo do paganismo germânico. Mas Bonifácio, desafiando com audácia o furor dos bárbaros, apanha um machado e começa a golpear aquela simbólica árvore. Os céus mostram-se favoráveis a seu empreendimento: nesse instante começa a soprar um vento impetuoso que a derruba, partindo-a em quatro pedaços.
Vendo aquela manifestação do Deus verdadeiro, um Deus ciumento que julga com justiça, grande número de pagãos converte-se à Fé Católica. Uma capela dedicada a São Pedro é erigida no local antes ocupado pelo carvalho.

São Bonifácio derruba o carvalho “sagrado” – Litografia de Heinrich Maria von Hess

Era preciso demonstrar àquelas almas a impotência dos ídolos e arrancá-las pelas raízes da falsa religião!

Bispo e organizador de um exército espiritual

Após três anos de frutuoso apostolado, Gregório II chama Bonifácio a Roma para impor-lhe a dignidade que tantas vezes recusara: o episcopado. Declarou o Pontífice que assim o fazia “para que pudesse, com maior determinação, corrigir e reconduzir os errantes pelo caminho da verdade, para que se sentisse apoiado pela maior autoridade da dignidade apostólica e fosse tanto mais aceito no ofício da pregação, quanto mais demonstrasse que por este motivo fora ordenado pelo prelado apostólico”.[2]

A mesma despretensão que levara o Santo a negar tantas vezes essa honra, impele-o a inclinar-se diante da vontade do Vigário de Cristo. No dia 30 de novembro de 722, o Sumo Pontífice o ordena Bispo da Germânia, diocese vastíssima que compreendia toda a região transrenana.

Gozando da estima do Papa e contando com o valioso apoio de Carlos Martel, o avô de Carlos Magno, Bonifácio dedica-se a conquistar mais almas para o rebanho de Cristo. Além de Hesse e Turíngia, também a Baviera e outras partes do território germânico beneficiam-se de seu zelo.

O venerável Bispo funda o Mosteiro de São Miguel de Ordhuff, lá estabelecendo sua residência. E, compreendendo a eficácia do exemplo da vida religiosa para civilizar aqueles povos, edifica mosteiros em quantidade. De 740 a 778, vinte e nove são construídos na Baviera.

À frente desse exército espiritual põe seus fiéis colaboradores anglo-saxões, que haviam acorrido a seu apelo no início da missão e perseveravam junto a ele. Entre eles cabe mencionar São Lulo, que mais adiante o sucederia na sede episcopal, e a abadessa Santa Léoba.

Reforma da Igreja franca

O zelo de Bonifácio não conhece limites e ultrapassa os já enormes limites de sua diocese. Atendendo ao pedido de Carlomano, filho de Carlos Martel, viaja para a Austrásia e convoca ali o sínodo que passaria para a história com o nome de Concilium Germanicum.

Grande era o relaxamento moral naquelas regiões habitadas pelos povos francos, ainda governados pela dinastia merovíngia. Servindo-se desse concílio e de outros sínodos convocados posteriormente, o santo Bispo reestrutura as dioceses, reúne todos os mosteiros debaixo da regra e do carisma beneditinos e consegue uma restituição parcial dos bens da Igreja, utilizados por Carlos Martel em suas constantes guerras. Com a ajuda dos condes, proíbe também os costumes pagãos ainda existentes.

Para coroar e firmar tais reformas, convoca no ano 747 o Concílio Geral do Império Franco, no qual ficou estabelecida a unidade da Fé, e fá-lo concluir com uma carta de submissão e fidelidade à Sé de Pedro.

Catedral de Fulda (Alemanha), erigida sobre a igreja abacial fundada por São Bonifácio

“Nesse lugar, com o consentimento de Vossa Santidade, tenho intenção de jazer depois da morte”

Fundação da Abadia de Fulda

No decorrer dos anos, vinha Bonifácio acalentando o desejo de erigir algum mosteiro no qual repousassem seus restos mortais e ficasse de alguma forma perpetuada sua presença junto àquele povo, filho seu.

Com a ajuda de Santo Estúrmio, oriundo de nobre família da Baviera e por ele mesmo educado desde jovem, escolhe um espaço retirado no meio da floresta, no atual estado de Hesse. Tendo-lhes sido cedida de bom grado a propriedade pelo poder real, o discípulo e mais sete monges tomam posse do local e, em 12 de janeiro de 744, começam a levantar com suas próprias mãos a célebre Abadia de Fulda, alternando o trabalho com orações e cânticos de Salmos.

Assim escreverá São Bonifácio ao Papa São Zacarias a respeito da nova fundação: “Lugar selvagem, no ermo de uma vastíssima quietude, no meio dos povos confiados à nossa pregação. Ao construirmos o mosteiro, nele pusemos monges que vivem segundo a regra do Patriarca São Bento, em estrita observância, sem comer carne nem beber vinho ou cerveja, e sem ter criados, contentando-se com o trabalho das próprias mãos”. [3]

E um pouco mais para a frente, acrescenta: “Nesse lugar, com o consentimento de Vossa Santidade, tenho intenção de restabelecer, com um pouco de descanso, o corpo alquebrado pela velhice, e jazer depois da morte. Porque se sabe que em torno desse local habitam quatro povos, aos quais, ajudados pela graça de Deus, anunciamos a doutrina de Cristo; a eles, enquanto estiver vivo ou válido, poderei ser útil, com a vossa intercessão. Desejo de fato, por meio das vossas orações e com a graça de Deus, perseverar na comunhão com a Igreja Romana e no vosso serviço entre os povos germânicos, a que fui enviado, e obedecer à vossa ordem”.[4]

Ainda em vida de seu primeiro abade, Fulda chegou a abrigar quatrocentos monges, constituindo um manancial de sacralidade e virtude do qual germinaram muitos dos esplendores germânicos da Idade Média.

“Eis o dia há muito desejado!”

Aproximando-se de sua oitava década de vida, São Bonifácio não se sente saciado de amor a Deus. Seu coração arde em desejos de novas conquistas para a Santa Igreja.
Deixando São Lulo como seu sucessor na Arquidiocese de Mogúncia, São Bonifácio resolve enfrentar novamente o desafio com que dera início à sua missão: a conversão da Frísia. “Desejo realizar o propósito desta viagem; não posso de maneira alguma renunciar ao desejo de partir. Está próximo o dia do meu fim e avizinha-se o tempo da minha morte; deixando o corpo mortal, subirei ao eterno prêmio. Mas tu, filho caríssimo, […] chama sem descanso o povo do abismo do erro, termina a construção da basílica já começada de Fulda e nela sepulta o meu corpo envelhecido por longos anos de vida”,[5] escreve a seu sucessor.

Martírio de São Bonifácio – Gravura extraída do livro: “Neerlands heiligen in vroeger eeuwen”, vol. III

“Eis o dia há muito desejado, chegou o tempo do nosso fim; tende coragem no senhor!”

Na primavera de 754 parte para a Frísia, acompanhado por cerca de cinquenta monges, para evangelizar povos ainda mais selvagens que aqueles com os quais até então convivera.

Após alguns meses de árduo, porém fecundo apostolado, o Santo resolve reunir todos os convertidos na cidade de Dokkum, na atual Holanda, a fim de administrar-lhes o Sacramento da Confirmação. Corria o ano de 755. No horário marcado, eis que os religiosos veem chegar, em lugar dos cristãos, uma feroz tropa de bandidos.

O fiel Bispo encontra-se em sua tenda, lendo um livro. Ao ver avançar sobre si a horda bestial, levanta-se com coragem e diz: “Eis o dia há muito desejado, chegou o tempo do nosso fim; tende coragem no Senhor. Sede fortes, não vos deixeis aterrar por aqueles que matam o corpo, mas não podem matar o espírito imortal; alegrai-vos no Senhor e fixai a âncora da vossa esperança em Deus, que depressa vos dará a paga do prêmio eterno e um lugar no Reino Celeste com os cidadãos do Céu, que são os Anjos”.[6] Usando o livro para defender-se, é golpeado na cabeça e apresenta-se ante seu Senhor para receber a recompensa tão merecida.

Ao saberem do ocorrido, os cristãos da Frísia apressam-se em recolher as preciosas relíquias dos mártires: São Bonifácio e os cinquenta e dois que com ele subiram vitoriosos ao Céu. O corpo do pai dos povos germânicos foi transladado para a Abadia de Fulda, não sem resistência dos fiéis das Dioceses de Utrecht e de Mogúncia, que desejavam tê-lo consigo.

Assim culminou a gloriosa epopeia daquele menino que, no silêncio e na disciplina do claustro beneditino, descobriu o segredo do triunfo sobre si mesmo, sobre a barbárie e sobre os infernos.

 

Notas

[1] OTLOHO. Vitæ Bonifatii. Liber I. In: LEVISON, Wilhelmus (Ed.). Vitæ Sancti Bonifatii Archiepiscopi Moguntini. Hannoveræ-Lipsiæ: Impensis Bibliopolii Hahniani, 1905, p.158.
[2] Idem, p.127.
[3] SÃO BONIFÁCIO DE MOGÚNCIA. Epistola 86. In: TANGL, Michael (Ed.). Epistolæ Selectæ. S. Bonifatii et Lulli epistolæ. Berolini: Weidmannos, 1916, t. I, p.193.
[4] Idem, p.193-194.
[5] WILLIBALDO. Vita Bonifatii. In: LEVISON, Wilhelmus (Ed.). Vitæ Sancti Bonifatii Archiepiscopi Moguntini. Hannoveræ-Lipsiæ: Impensis Bibliopolii Hahniani, 1905, p.46.
[6] Idem, p.49-50.

 

1 COMENTÁRIO

  1. Ótimo artigo sobre o Santo Bonifácio, parabéns à autora.
    Interessante conhecermos as vidas dos Santos e Santas.
    Principalmente, os mártires.
    Dão nos um exemplo de coragem para anunciaremos a Palavra de Deus, sabendo que não agradaremos principalmente os réprobos.

Deixe uma resposta para Pedro Alexandre Ricciardi Ferreira Cancelar resposta

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui