Elusiva e intrigante como os olhos do beduíno, Petra parece custodiar, atrás das mudas pedras de suas fachadas, o segredo da verdadeira identidade dos três Reis Magos.

A

sudeste do Mar Morto, podem-se avistar ainda hoje as fascinantes ruínas de uma cidade talhada na pedra, que durante séculos permaneceu oculta no inóspito deserto de Edom. Para aceder até ela é preciso percorrer uma estreita garganta de mil e duzentos metros de cumprimento, serpeando entre paredes rochosas que alcançam, em certos pontos, até cento e oitenta metros de altura.

Refiro-me a Petra, cidade construída pelos nabateus, povo que desapareceu nas areias ressequidas do Oriente tão misteriosamente como surgiu: de forma semelhante ao revoar da seda levada pelo vento do deserto ou ao aroma do incenso dimanado de um conto de As mil e uma noites.

Enquanto os romanos construíam práticas estradas, obrigando os povos por eles dominados a se conformarem negligentemente com as rotas estabelecidas, os nabateus guiavam os seus passos seguindo o movimento dos astros.

Navegantes exímios nos mares de areia, tinham uma incomparável capacidade de transportar ouro, incenso e mirra para vendê-los e despachá-los a distantes terras como Síria, Egito, Pérsia, Turquia e Roma. Seus camelos de portentosa resistência e uma secreta habilidade para armazenar água, unidos à perícia em se guiarem pelas estrelas, tornaram-lhes possível estabelecer a chamada Rota do incenso, que unia o porto de Gaza ao Golfo de Aden e às míticas minas de Sabá através de dois mil e quatrocentos quilômetros de deserto.

No transcurso dos séculos, esse povo nômade passou a comandar um vasto território. Graças a seus engenhosos sistemas de irrigação, que ainda hoje maravilham os estudiosos, foram eles capazes de edificar a magnífica Petra, cuja grandeza perdura até os nossos dias.

Sem embargo, mais além dos mudos testemunhos de ruínas milenares, a cultura dos nabateus ocupa a atenção dos estudiosos por uma relação ainda mais enigmática e fascinante: com os Reis Magos.

Terão eles passado por Petra ao longo do seu intérmino percurso? É muito provável que sim, pois não em vão diz o profeta Isaías: “Serás invadida por uma multidão de camelos, pelos dromedários de Madiã e de Efá; virão todos de Sabá, trazendo ouro e incenso, e publicando os louvores do Senhor” (60, 6). E em outro lugar: “Enviai o cordeiro ao soberano deste país de Selá,” – que muitos estudiosos identificam com Petra – “pelo deserto, ao monte de Sião” (16, 1).

Indo mais longe nesta ligação, alguns autores afirmam que os Reis Magos foram, na realidade, sacerdotes nabateus que uniam o conhecimento dos persas à proximidade física e espiritual com o povo eleito.[1]

Qual será a resposta a esse intrigante enigma?

Seja ela qual for, as chuvas torrenciais do inverno e os tórridos ventos do deserto ainda não conseguiram desvanecer a imponência de Petra, elusiva e intrigante como os olhos do beduíno. Por trás das mudas pedras de suas fachadas parece habitar o segredo da verdadeira identidade dos Reis Magos, esses sábios, astrólogos e místicos que, guiados por uma estrela, um dia chegaram à Judeia para adorar o Menino Deus.

E, enquanto arqueólogos e acadêmicos revelam novos traços do seu passado milenar, a magnificência dessa cidade pode, quiçá, resumir-se em uma frase simples em palavras, mas densa em conteúdo: Petra, onde os Magos uma vez caminharam…

 

 

Notas

[1] Cf. LONGENECKER, Dwight. Mystery of the Magi: The Quest to Identify the Three Wise Men. Washington DC: Regnery History, 2017.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui