Nosso Senhor descreve os últimos momentos da história do mundo, quando estaremos todos reunidos para o Juízo Final

 

Evangelho do 34º domingo do tempo comum

“Quando o Filho do Homem voltar na sua glória e todos os anjos com ele, sentar-se-á no seu trono glorioso. Todas as nações se reunirão diante dele e ele separará uns dos outros, como o pastor separa as ovelhas dos cabritos. Colocará as ovelhas à sua direita e os cabritos à sua esquerda. Então o Rei dirá aos que estão à direita: — Vinde, benditos de meu Pai, tomai posse do Reino que vos está preparado desde a criação do mundo (…). Voltar-se-á em seguida para os da sua esquerda e lhes dirá: — Retirai-vos de mim, malditos! Ide para o fogo eterno destinado ao demônio e aos seus anjos. (…) E estes irão para o castigo eterno, e os justos, para a vida eterna” (Mt 25,31-46).

 

Por razão de brevidade, focalizaremos apenas os trechos acima, do Evangelho do 34º domingo do tempo comum.

Nas leituras dos dias anteriores, Jesus insiste na necessidade de estarmos preparados para o momento de comparecer ante o tribunal divino. Nesse sentido é a parábola das virgens tolas e das prudentes, com a qual se inicia o capítulo 25 de São Mateus. O mesmo se diga da parábola dos talentos, que vem logo a seguir. Ambas ilustram o discurso escatológico iniciado no capítulo 24 do mesmo evangelista, quando nosso Redentor adverte para os acontecimentos que marcarão o fim do mundo: “Como o relâmpago parte do oriente e ilumina até o ocidente, assim será a volta do Filho do Homem…”.

Era natural que, na seqüência desses ensinamentos, Ele passasse à descrição do último ato da história da humanidade: o Juízo Final.

A segunda vinda de Jesus

“Quando o Filho do Homem voltar na sua glória e todos os anjos com ele, sentar-se-á no seu trono glorioso. Todas as nações se reunirão diante d’Ele…”.

Assim Nosso Senhor inicia a descrição dos instantes finais dos homens nesta terra. Meditemos sobre isso, seguindo o categórico conselho do Eclesiástico: “Em todas as tuas obras, medita nos teus novíssimos e não pecarás eternamente” (7,40). “Novíssimo” é um termo vindo do latim novus, e quer dizer também “último”. É com esse significado que a Escritura o utiliza, para indicar os últimos acontecimentos de nossa vida: morte, juízo, Céu ou Inferno.

De início, reparemos na linguagem empregada agora pelo Divino Mestre. Não se exprime mais por comparação nem metáfora (“O reino dos céus é semelhante..”), mas fala diretamente: “Quando o Filho do Homem voltar na sua glória…”.

Não nos deixa dúvida quanto à realização do Juízo Universal, verdade, aliás, anunciada outras vezes por Ele mesmo: “Ai de ti, Corozaim! Ai de ti, Betsaida! (…) No dia do juízo, haverá menos rigor para Tiro e para Sidônia que para vós!” (Mt 11,21-22). “No dia do juízo, os ninivitas se levantarão contra esta raça e a condenarão, porque fizeram penitência à voz de Jonas. Ora, aqui está quem é mais do que Jonas” (Mt 12,41).

O tribunal

“Todas as nações se reunirão diante dele”, diz o Senhor. Quer dizer, nenhum homem, por mais poderoso que tiver sido, poderá subtrair-se a essa convocação. Não haverá espaço para exceções, tergiversações, adiamentos. A ordem é peremptória.

Também os anjos deverão comparecer, afirma Jesus: “…e todos os anjos com ele”. Ora, se os homens é que serão julgados, qual a razão dessa presença angélica?

Segundo explica a Suma Teológica, o Juízo Final “relaciona-se de algum modo com os anjos, na medida em que eles interferiram nos atos dos homens”. Assim, o principal papel das criaturas angélicas será o de servir de testemunhas.

Mas, de alguma maneira, os anjos serão também julgados: “Não sabeis que julgaremos os anjos?”, pergunta São Paulo (1 Cor 6,3). E São Pedro afirma o mesmo a respeito dos demônios: “Pois se Deus não poupou os anjos que pecaram, mas os precipitou nos abismos tenebrosos do inferno onde os reserva para o julgamento” (2 Pe 2,4). Os anjos de Deus terão um prêmio, que será a grande alegria em vista da salvação de seus protegidos, enquanto os demônios terão um acréscimo de tormento, ao “multiplicar-se a ruína dos maus que por eles foram induzidos ao pecado” (Suma, Suplem. 89,8).

Ainda no concernente à constituição do tribunal, certos homens terão um papel importante: serão co-juízes com Nosso Senhor. Isto é afirmado, entre outros, por São Paulo: “Não sabeis que os santos julgarão o mundo?” (1 Cor. 6,2). Segundo a Suma, esses co-juízes, “varões perfeitos”, julgarão por comparação com si mesmos, porque “trazem gravados em si os decretos da justiça divina” (Suplem. 89,1).

Detalhe de “O Juízo Final”, por Fra Angélico

Separação dos julgados: o fim dos relativismos

Voltemos às palavras do Senhor no Evangelho:

“… e ele separará uns dos outros, como o pastor separa as ovelhas dos cabritos. Colocará as ovelhas à sua direita e os cabritos à sua esquerda”.

Na vida nesta terra, a alma humana, por uma espécie de instinto espiritual, procura incessantemente a verdade, o bem e o belo. Mesmo quando comete pecado, esses instintos espirituais continuam a atuar. Além disso, todo homem tem como que estampados na alma os Dez Mandamentos.

Por tudo isso, ninguém consegue praticar o mal pelo mal, professar o erro pelo erro, admirar o horrendo pelo horrendo.

Assim, se os pensamentos, desejos e atos de um indivíduo começam a fugir habitualmente das leis de Deus, sente ele a necessidade imperiosa de os justificar, racionalizando-os, isto é, buscando para eles explicações racionais, por mais absurdas que estas sejam. E a saída consiste geralmente em procurar uma conciliação entre a verdade e o erro, o bem e o mal, o belo e o horrendo.

Tudo aquilo que antes era para ele de uma luminosidade cristalina, torna-se de uma indefinição nebulosa e pardacenta. E ele afunda no relativismo, funesto defeito moral, tão comum ao longo da história, causa de tantos erros doutrinários que afastaram da Igreja Católica e do caminho da virtude milhões e milhões de almas.

No Evangelho aqui comentado de­saparece todo capricho e devaneio a respeito da conciliação entre esses valores irreconciliáveis. “Non datur tertius” — não há uma terceira solução possível no dia do Juízo. Nosso destino será o Céu ou o Inferno. Será a mais fulgurante e universal manifestação do Absoluto na ordem da criação.

O julgamento

Uma interrogação que pode ter passado pelo espírito de vários leitores: a maior parte dos homens já terá sido julgada logo após sua morte (excetuam-se aqueles que estiverem vivos, quando chegar a hora do fim do mundo), por que, então, passar de novo por um juízo?

A Suma Teológica (Suppl 88, I ad 1), bem como o Catecismo Romano, fazem compreender melhor a razão desses dois tribunais. De fato, no Juízo particular, cada homem é julgado privadamente por Deus, permanecendo o seu foro íntimo, bem como todas as conseqüências de seus pecados, ocultos aos outros homens. Para a plena glorificação da justiça divina é indispensável que haja um outro juízo, público e universal, no qual fiquem patentes aos olhos de todos a inocência dos bons e a torpeza dos maus.

Nenhum ato de virtude e nenhuma falta, por menores que sejam, serão omitidos. Assegura São Paulo que em Deus “vivemos, e nos movemos, e existimos” (At 17, 28), portanto nada pode escapar a seu divino conhecimento e a seu absoluto julgamento. Assim, no dia do Juízo “Deus fará prestar contas de tudo o que está oculto, todo ato, seja ele bom ou mau” (Ecl 12,14).

A este propósito assevera São Paulo: “Porque teremos de comparecer diante do tribunal de Cristo. Ali cada um receberá o que mereceu, conforme o bem ou o mal que tiver feito enquanto estava no corpo” (2 Cor 5,10). “Por isso” — diz ainda São Paulo — “não julgueis antes do tempo; esperai que venha o Senhor. Ele porá às claras o que se acha escondido nas trevas. Ele manifestará as intenções dos corações. Então cada um receberá de Deus o louvor que merece” (1 Cor 4,5). Dessa forma, todos os nossos pensamentos virão à tona. Igualmente não estarão isentas de prêmio ou castigo nossas palavras: “Eu vos digo: no dia do juízo os homens prestarão contas de toda palavra vã que tiverem proferido” (Mt 12,36).

O Redentor nos atribuirá méritos ou penas por nossas obras: “Retribuirá a cada um segundo as suas obras” (Rm 2,6). Também pedirá contas por nossas omissões: “Aquele que souber fazer o bem, e não o faz, peca” (Tg 4,17).

Nossa consciência, portanto, por um auxílio divino poderoso, far-nos-á relembrar com claríssima memória todas as nossas ações, boas e más, e até as que deviam ter sido praticadas e não o foram por nossa culpa. Da mesma forma, nos recordará nossos pensamentos e desejos. Não somente, pois, os pecados graves, mas também os leves e até as imperfeições. Essa tão exata e minuciosa recordação já de si constituirá uma sentença inapelável.

Nesta terra, quando queremos permanecer no mau caminho, abafamos nossa consciência. Porém, no dia do Juízo, ela se imporá às nossas veleidades.

Detalhe de “O Juízo Final”, por Fra Angélico

O prêmio dos bem-aventurados

“Então o Rei dirá aos que estão à direita: — Vinde, benditos de meu Pai, tomai posse do Reino que vos está preparado desde a criação do mundo”.

Detalhe de “O Juízo Final”, por Fra Angélico

A essência do prêmio será a visão beatífica, quer dizer, a contemplação de Deus face a face. Pela força da graça nos será possível contemplar a própria essência de Deus, em vez de apenas discerni-Lo por seu reflexo nas criaturas: “Hoje vemos como por um espelho, confusamente; mas então veremos face a face. Hoje conheço em parte; mas então conhecerei totalmente, como eu sou conhecido” (1 Cor 13,12).

Por nossa natureza, temos uma sede insaciável de felicidade, de um amor sem medida que nenhuma criatura conseguirá aplacar e só pode ser atendida pelo próprio Deus. O famoso teólogo Réginald Garrigou-Lagrange, O.P., na obra La vie éternelle et la profondeur de l’âme, explica: “A profundidade de nossa vontade é tal, que só Deus pode preenchê-la e atraí-la irresistivelmente.”

A este propósito, exclama Santo Agostinho: “Infeliz quem conhece todas essas coisas [terrenas] e não Vos conhece, ó meu Deus! Feliz quem Vos conhece, embora ignore todo o resto. Quanto a quem Vos conhece e conhece também as coisas terrenas, não é mais feliz por conhecê-las, mas é unicamente o conhecimento que tem de Vós que o faz feliz, contanto que, conhecendo-Vos como Deus, glorifique-Vos também como Deus e Vos dê graças por vossos dons, e não se perca na vaidade de seus próprios pensamentos.”

Assim, após a morte, livre de tudo aquilo que a cercava na terra, a alma tem uma avidez veemente de voar para Deus, a fim de contemplá-lo face a face, conforme escreve o mesmo santo: “Fizestes-nos, Senhor, para Vós, e o nosso coração está inquieto até que repouse em Vós” (Confissões, 1.1).

Além da visão de Deus, os bem-aventurados receberão no Céu outros prêmios, infinitamente menores, mas mesmo assim valiosíssimos e incomparáveis com as coisas da terra.

Em primeiro lugar, terão corpos gloriosos. Lemos na primeira Epístola aos Coríntios: “Semeado na corrupção, o corpo ressuscita incorruptível; semeado no desprezo, ressuscita glorioso; semeado na fraqueza, ressuscita vigoroso; semeado corpo animal, ressuscita corpo espiritual” (1 Cor 15, 42-44).

Ademais terão a inimaginável alegria de poderem contemplar Nosso Senhor Jesus Cristo, Nossa Senhora e os Santos, bem como as maravilhas do mundo já então renovado. Sim, pois o universo passará por uma inteira renovação, pela qual conservará apenas aquilo de mais belo que contiver, e será livre de toda matéria corruptível ou vulgar.

Como se não bastasse, os bem-aventurados terão como morada o Céu empíreo, a respeito do qual escreve Garrigou-Lagrange:

“O Céu é o lugar e, melhor ainda, o estado da suprema bem-aventurança. Se Deus não tivesse criado nenhum corpo, mas apenas puros espíritos, o Céu não seria um lugar, porém tão-só o estado dos anjos que gozam da posse de Deus. Mas o Céu é também um lugar, no qual estão a Humanidade de Jesus, a Bem-Aventurada Virgem Maria, os anjos e as almas dos Santos. Embora não possamos dizer com certeza onde se encontra esse lugar em relação ao conjunto do Universo, a Revelação não permite duvidar de sua existência.”

Grandes teólogos católicos afirmam ser o Céu empíreo um lugar concreto, entre eles o célebre jesuíta flamengo Cornélio a Lapide. Para este, o Céu é constituído de materiais nobres, com “palácios construídos de pérolas e pedras preciosas, como também prados, jardins e bosques ameníssimos”. Levado uma vez até ali, São Paulo viu algo tão esplendoroso que não encontrou palavras para o descrever, limitando-se a exclamar: “O que os olhos não viram, os ouvidos não ouviram, e o coração do homem não percebeu, isso Deus preparou para aqueles que o amam” (1 Cor 2,9).

O castigo dos condenados

Lancemos, agora, nosso olhar para aquela porção da humanidade que deverá ouvir a terrível sentença:

“Afastai-vos de mim, malditos!”.

Detalhe de “O Juízo Final”, por Fra Angélico

O próprio Criador rejeita, para sempre, seres que Ele criou. Que castigo espantoso! Trata-se da chamada pena de “dano”, palavra derivada do latim damnum, “perda”, pois esse tormento consiste na perda da posse de Deus, nosso fim último.

Enquanto está na vida presente, a alma não consegue avaliar a imensidão dessa perda. Os bens sensíveis não param de lhe atrair a atenção; a todo momento recebe notícias domésticas ou profissionais, ou dos fatos nacionais e internacionais; tem preocupações e necessidades de alimentação, asseio, saúde, lazer; entrega-se a prazeres; acaricia ambições e projetos para a carreira e para a família, e está cercado de parentes, amigos, enfim, de tudo o que constitui seu mundo.

Mas quando a alma se separa do corpo, todo esse ruído cessa de repente, todos os interesses que a prendem na terra perdem seu valor. Ela se vê completamente só, e então aí… “toma consciência de sua profundidade sem medida, que só Deus, visto face a face, pode satisfazer; e vê também que esse vazio jamais será preenchido… [Se tiver morrido em pecado] ela se vê na noite do vazio, expulsa, repudiada, maldita” (Garrigou-Lagrange).

Por ser infinitamente verdadeiro, bom e belo, Deus é infinitamente atraente. Os condenados, por sua natureza, são atraídos por essa Beleza suprema, única capaz de satisfazer sua necessidade insaciável de amor. Mas Deus os repele por completo, e eles, em delírios de furor infernal, não fazem senão detestá-Lo, maldizê-Lo, blasfemar contra Ele. É o tormento de um coração apaixonado e roído de ódio. É o sofrimento atroz do amor contrariado, desprezado, transformado em fúria, posto continuamente num extremo de ódio e desespero.

“Ide para o fogo eterno, que foi preparado para o demônio e para os seus anjos!”.

Comparada com o horror da pena de dano, a pena dos sentidos pode até parecer suave… Contudo, por si só é tremenda.

O agente desse castigo é o fogo: “Qual de vós poderá habitar em um fogo devorador?” — pergunta com pavor o profeta Isaías (33,14). O Inferno é um abismo de fogo, um “tanque ardente de fogo e enxofre” (Ap 21,8). E não nos iludamos, pensando que a expressão “fogo do Inferno” seja apenas uma metáfora, uma imagem para se referir ao remorso da consciência.

É doutrina universalmente aceita na Igreja, baseada na Sagrada Escritura e no consenso dos Padres, que se trata de um fogo real, eterno e inextinguível, que tortura os espíritos e queimará os corpos sem os destruir.

Uma resolução inadiável

Ao nos revelar esse mistério, Jesus demonstra sua infinita bondade para conosco. Seu objetivo, ao nos alertar de modo tão veemente, é evitar para nós a desgraça eterna, e levar-nos para junto d’Ele, na felicidade do Paraíso.

Profundamente gratos, tomemos sem demora a firme resolução de Lhe rogar as graças necessárias para reprimirmos nossas más paixões, evitar o pecado e praticar a virtude. De tal modo que possamos ouvir de seus lábios adoráveis este celestial convite: “Vinde, benditos de meu Pai, tomai posse do Reino que vos está preparado desde a criação do mundo”.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui