O burrinho empacado

Quando fechou a porta, Da. Jacinta chorou copiosamente. Lá se tinham ido os últimos grãos de arroz, único alimento da casa e sustento da família… E agora? De onde esperar um socorro? Sofia, porém, tinha a solução!

 

Da. Jacinta

U m misto de alvoroço e alegria reinava por todo o lugarejo. Cada aldeão queria ter sua casa em perfeita ordem e limpeza para a chegada dos pregadores, enquanto as crianças divertiam-se enfeitando as árvores com fitinhas coloridas. Assim, ano após ano, a pequena aldeia perdida no meio das montanhas se revestia de júbilo, a fim de acolher com pompa a semana de missões em que as procissões em honra da Santíssima Virgem, as pregações e Missas renovavam a piedade e devoção dos habitantes do local.

Observando a movimentação pela janela, Da. Jacinta deixou escapar um profundo suspiro, cheio de saudade e tristeza. Não podia esquecer-se dos bons tempos em que ela mesma comandava os preparativos em sua rua… Agora, porém, os anos de lutas e trabalhos haviam desgastado tanto sua saúde que lhe era impossível, sequer, sair de casa. Desde que seu marido falecera, vítima de uma terrível epidemia, tinha ela trabalhado sem tréguas a fim de conseguir não só o seu sustento, mas também o de sua sobrinha de nove anos, a pequena Sofia, que também perdera os pais naqueles fatídicos dias. Tratava-se de uma encantadora criança, cujo coração, acrisolado pelo sofrimento, tornara-se generoso e resignado em face às maiores dificuldades. Estas, porém, pareciam nunca terminar…

Deixando suas nostálgicas recordações, Da. Jacinta deu uma olhada pelo interior de sua residência: alguns móveis desgastados pelo tempo, duas ou três panelas penduradas na parede – empoeiradas pela falta de uso – uma velha mesa cercada com banquinhos desiguais e duas modestas camas. O único alimento que lhes sobrava para viver era um pouco de arroz, que provavelmente acabaria no jantar dessa mesma noite. “Bom” – pensou consigo a pobre mulher – “não nos resta nada, a não ser a confiança em Deus e em sua Mãe Santíssima…” Nos momentos mais difíceis de sua vida, ela sempre rezara e nunca tinha sido desamparada pela Providência. Mas agora encontrava-se numa situação desesperadora. De onde lhe viria auxílio? Pensava nisto, quando a alegre Sofia interrompeu suas cogitações:

— Querida tia, boa tarde! Trouxe-lhe um presente para o nosso altarzinho!

E, oferecendo-lhe um buquê de florzinhas do campo – um pouco murchas pelo calor –, deu-lhe um forte abraço. Nesse momento, Da. Jacinta concluiu: Deus não abandonaria aquele coração tão puro e generoso.

Três fortes batidas na porta cortaram novamente o fio de seus pensamentos… quem poderia ser? Abrindo a porta, deparou-se com um frade de aspecto venerável:

— Boa tarde, minha senhora! Estamos coletando alimentos para os mais necessitados. Distribuiremos cestas com as doações no encerramento das missões. A senhora teria como contribuir?

— Oh, não… perdão reverendo, nós somos pobres também e não possuímos nada para dar…

— O quê?! – interrompeu a menina –Mentir é pecado, tia! Temos sim, a senhora esqueceu do saco de arroz?

E, sem que sua tia tivesse tempo de se manifestar a respeito, Sofia correu para pegar o pacote que se encontrava quase vazio.

— Perdão, padre! É pouco, mas creia-me: é de todo coração! – disse a pequena ao fazer a sua simples oferta ao missionário.

Dando-lhe então uma bênção, o frade agradeceu a generosidade e continuou sua caminhada.

Da. Jacinta, porém, não pôde conter mais as lágrimas: era demasiado para ela! Como? Os pobres tinham lá os frades para ajudá-los; quanto a elas, quem as ajudaria?

— Não chore, minha tia, vamos rezar o Rosário e pedir a Nossa Senhora que envie um Anjo para salvar-nos!

Amargurada, Da. Jacinta aceitou a proposta. Sentaram-se, então, junto a uma imagem da Virgem Maria, pondo-se em fervorosa oração.

Enquanto isso acontecia no lar da pobre Da. Jacinta, no extremo oposto da aldeia, uma pitoresca cena se passava…

Empacado, Paquito não se movia nem para a frente, nem para trás…

— Ah, vamos, Paquito! Anda! Vamos! Vamos!

Em vão Lourenço gritava com seu burrico, obstinadamente empacado pelo excesso de peso posto em seu dorso. O pobre homem recebera licença de seu patrão para visitar sua família na aldeia vizinha e queria levar consigo um enorme cesto que dele ganhara, repleto das mais finas e variadas iguarias.

Entretanto, Paquito não se movia nem para a frente, nem para trás… Vendo, porém, que não havia outro meio de empreender sua viagem senão renunciando a cesta, lembrou-se da pequena Sofia, a quem tinha visto há pouco colhendo flores no campo.

Assim, puxou decididamente pelas rédeas o desobediente burrinho que, parecendo adivinhar suas boas intenções, desempacou em direção à casa de Da. Jacinta.

Logo, outras três batidas na porta interromperam a recitação do terço na casa desta humilde senhora.

— É o Anjo! – disse Sofia em sua inocente confiança.

Surpresa, Da. Jacinta foi atender a porta, enquanto Sofia assomava sua cabecinha por entre o avental da tia, temendo olhar diretamente para o Anjo… Mas viu apenas Lourenço, que em poucas palavras explicou-lhes o seu desejo – quase necessidade – de entregar-lhes o cesto que tanto estava atrapalhando a sua viagem.

Assim que o visitante colocou o cesto sobre a mesa da casa, Da. Jacinta desatou num copioso pranto, e Sofia, pulando cheia de contentamento ao redor do burrinho, narrou a Lourenço tudo o que acontecera. Admirado, tanto pela fé da pequena quanto pelo misterioso empaque de seu jumento, pôs-se a chorar também, por ver que tinha sido instrumento de Nossa Senhora, Protetora dos desamparados, para remediar tão triste situação.

Da. Jacinta e Sofia acompanharam agradecidas a partida do bom Lourenço

Enquanto os últimos raios de sol tingiam de áureos resplendores as montanhas da aldeia, Da. Jacinta acompanhava a partida do bom Lourenço montado em seu burrinho, dando graças a Maria Santíssima: “agradeço-Vos, minha Mãe, pois mais uma vez comprovastes que Deus jamais desampara quem a Ele se abandona, ainda que nas piores circunstâncias!”

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui