Liturgia Diária – 16 de abril

0
194

Sexta-feira da Segunda semana da Páscoa

Leituras da Missa

Santos em destaque

Corpo incorrupto de Santa Bernardette Soubirus – Convento de Nevers (França)

Santa Bernadette Soubirous, virgem (†1879). Nascida de uma família pobre, foi favorecida pelas aparições de Nossa Senhora, em Lourdes, França. Ingressou na Congregação das Irmãs da Caridade de Nevers, onde foi modelo de humildade. Ver também: Santa Bernadete Soubirous a virtude atesta o milagre.  O bom Deus nos castiga, mas sempre como Pai

São Turíbio, Bispo (†séc. V). Tendo nascido em Turim, Itália, tornou-se Bispo de Astorga, Espanha. Combateu com todas as forças a heresia de Prisciliano, que progredia nesse país.

São Frutuoso, Bispo (†cerca de 665). Monge e fundador de mosteiros, foi Bispo de Dume e depois Arcebispo de Braga, Portugal.

São Magno de Órcadas, mártir (†1116). Príncipe das Ilhas Órcadas, Escócia, converteu-se ao Cristianismo e foi assassinado traiçoeiramente durante tratativas de paz com um príncipe rival.

São Contardo d’Este, peregrino (†1249). De família principesca, renunciou aos bens da terra e adotou uma vida de extrema pobreza. Morreu durante uma peregrinação a Santiago de Compostela.

São Bento José Labre, peregrino (†1783). Desejoso de levar uma vida de penitência empreendeu exaustivas peregrinações a santuários célebres, pobremente vestido e vivendo de esmolas. Faleceu em Roma, aos 35 anos.

São Drogão, recluso (†c. 1186). Almejando levar uma vida simples e recolhida, viveu quarenta anos numa pequena cela anexa à igreja de Sebourg, França, de onde podia assistir à Missa através de uma janelinha.

Santa Engrácia, virgem e mártir (+séc. IV). Cristã de nobre família, martirizada por ter-se apresentado diante do magistrado romano em Saragoça para reprovar as atrocidades por ele cometidas contra seus irmãos na fé.

Ver todos os Santos deste dia no Martirológio Romano online

Leituras da Missa

Primeira leitura: At 5,34-42

Naqueles dias, 34um fariseu, chamado Gamaliel, levantou-se no sinédrio. Era mestre da Lei, e todo o povo o estimava. Gamaliel mandou que os acusados saíssem por um instante. 35Depois disse: “Homens de Israel, vede bem o que estais para fazer contra esses homens. 36Algum tempo atrás apareceu Teudas, que se fazia passar por uma pessoa importante, e a ele se juntaram cerca de quatrocentos homens. Depois ele foi morto, e todos os que o seguiam debandaram, e nada restou. 37Depois dele, no tempo do recenseamento, apareceu Judas, o galileu, que arrastou o povo atrás de si. Contudo, também ele morreu e todos os seus seguidores se dispersaram. 38Quanto ao que está acontecendo agora, dou-vos um conselho: não vos preocupeis com esses homens e deixai-os ir embora. Porque, se esse projeto ou essa atividade é de origem humana, será destruído. 39Mas, se vem de Deus, vós não conseguireis eliminá-los. Cuidado para não vos pordes em luta contra Deus!” E os membros do sinédrio aceitaram o parecer de Gamaliel. 40Chamaram então os apóstolos, mandaram açoitá-los, proibiram que eles falassem em nome de Jesus e depois os soltaram. 41Os apóstolos saíram do conselho muito contentes por terem sido considerados dignos de injúrias por causa do nome de Jesus. 42E cada dia, no templo e pelas casas, não cessavam de ensinar e anunciar o Evangelho de Jesus Cristo.

Salmo responsorial: Sl 26(27),1.4.13-14 (R.cf.4ab)
R. Ao Senhor eu peço apenas uma coisa, habitar no santuário do Senhor. Ou: Aleluia, Aleluia, Aleluia

1O Senhor é minha luz e salvação;* de quem eu terei medo? O Senhor é a proteção da minha vida;* perante quem eu tremerei? R.

4Ao Senhor eu peço apenas uma coisa,* e é só isto que eu desejo: habitar no santuário do Senhor* por toda a minha vida; saborear a suavidade do Senhor* e contemplá-lo no seu templo. R.

13Sei que a bondade do Senhor eu hei de ver* na terra dos viventes. 14Espera no Senhor e tem coragem,* espera no Senhor! R.

Evangelho: Jo 6,1-15

Naquele tempo, 1Jesus foi para o outro lado do mar da Galileia, também chamado de Tiberíades. 2Uma grande multidão o seguia, porque via os sinais que ele operava a favor dos doentes. 3Jesus subiu ao monte e sentou-se aí com os seus discípulos. 4Estava próxima a Páscoa, a festa dos judeus. 5Levantando os olhos e vendo que uma grande multidão estava vindo ao seu encontro, Jesus disse a Filipe: “Onde vamos comprar pão para que eles possam comer?” 6Disse isso para pô-lo à prova, pois ele mesmo sabia muito bem o que ia fazer. 7Filipe respondeu: “Nem duzentas moedas de prata bastariam para dar um pedaço de pão a cada um”. 8Um dos discípulos, André, o irmão de Simão Pedro, disse: 9“Está aqui um menino com cinco pães de cevada e dois peixes. Mas o que é isso para tanta gente?” 10Jesus disse: “Fazei sentar as pessoas”. Havia muita relva naquele lugar, e lá se sentaram, aproximadamente, cinco mil homens. 11Jesus tomou os pães, deu graças e distribuiu-os aos que estavam sentados, tanto quanto queriam. E fez o mesmo com os peixes. 12Quando todos ficaram satisfeitos, Jesus disse aos discípulos: “Recolhei os pedaços que sobraram, para que nada se perca!” 13Recolheram os pedaços e encheram doze cestos com as sobras dos cinco pães, deixadas pelos que haviam comido. 14Vendo o sinal que Jesus tinha realizado, aqueles homens exclamavam: “Este é verdadeiramente o profeta, aquele que deve vir ao mundo”. 15Mas, quando notou que estavam querendo levá-lo para proclamá-lo rei, Jesus retirou-se de novo, sozinho, para o monte.

Artigo anteriorLiturgia Diária – 15 de abril
Próximo artigoLiturgia Diária – 17 de abril
Redação
Artigos não assinados

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui