Liturgia Diária – 15 de fevereiro

0
127

Segunda-feira da 6ª semana do Tempo Comum

Leituras da Missa

Santos em destaque

São Claudio da Colombière – Paróquia dos Jesuitas, Santander (Espanha)

São Cláudio de la Colombiére, presbítero (†1682). Sacerdote da Companhia de Jesus, superior do Colégio jesuíta em Paray-le-Monial, França. A todos recomendava insistentemente a prática da oração. Por seus conselhos retos e seguros, trouxe de volta muitas almas ao amor de Deus. Destacou-se como apóstolo da devoção ao Sagrado Coração de Jesus.

São Sigfredo de Växjö, Bispo (†c. 1045). Nascido na Inglaterra, partiu em missão para evangelizar o norte da Europa. Converteu muitos pagãos e batizou o rei Olavo da Suécia.

São Valfredo, abade (†765). Descendente de importante família de Pisa, contraiu matrimônio com uma jovem igualmente de boa família. Tendo educado os filhos e desejando maior perfeição, cada qual fundou um mosteiro. Destacou-se na prática das virtudes e sabedoria no governo.

Santo Onésimo. São Paulo o acolheu como escravo fugitivo e na prisão o gerou como filho na Fé em Cristo, como ele mesmo escreveu a seu amo Filêmon.

São Faustino e Santa Jovita. Mártires. Eram irmãos, nascidos em nobre família de Bréscia, Itália. Receberam a palma do martírio no tempo do imperador Adriano.

Beato Ângelo Scarpetti, presbítero (†cerca de 1306). Sacerdote dos Eremitas de Santo Agostinho, passou parte de sua vida religiosa na Inglaterra, onde fundou vários conventos.

Beato Miguel Sopocko, presbítero (†1975). Confessor de Santa Faustina Kowalska, fundador das Irmãs de Jesus Misericordioso e grande propagador da devoção à Divina Misericórdia. Morreu em Bialystok, Polônia.

Ver todos os Santos deste dia no Martirológio Romano online

Leituras da Missa

Primeira leitura: Gn 4,1-15.25

1Adão conheceu Eva, sua mulher, e ela concebeu e deu à luz Caim, dizendo: “Gerei um homem com a ajuda do Senhor”. 2E deu também à luz Abel, irmão de Caim. Abel foi pastor de ovelhas e Caim, agricultor. 3Aconteceu, tempos depois, que Caim ofereceu frutos da terra como sacrifício ao Senhor 4e Abel ofereceu primogênitos do seu rebanho, com sua gordura. O Senhor olhou para Abel e sua oferenda, 5mas para Caim e sua oferenda não olhou. Caim encheu-se de cólera, e seu rosto tornou-se abatido. 6Então o Senhor perguntou a Caim: “Por que estás cheio de cólera e andas com o rosto abatido? 7É verdade que, se fizeres o bem, andarás de cabeça erguida; mas se fizeres o mal, o pecado estará à porta, espreitando-te. Tu, porém, poderás dominá-lo”. 8Caim disse a seu irmão, Abel: “Vamos ao campo”. Logo que chegaram ao campo, Caim atirou-se sobre o seu irmão, Abel, e matou-o. 9E o Senhor perguntou a Caim: ”Onde está o teu irmão Abel?” Ele respondeu: “Não sei. Acaso sou o guarda do meu irmão?” 10O Senhor lhe disse: “Que fizeste? A voz do sangue do teu irmão está clamando por mim da terra. 11Agora, pois, serás amaldiçoado pela terra que abriu a boca para receber das tuas mãos o sangue do teu irmão! 12Quando tu a cultivares, ela te negará seus frutos. E serás um fugitivo, vagando sobre a terra”. 13Caim disse ao Senhor: “Meu castigo é grande demais para que eu o possa suportar. 14Se, hoje, me expulsas desta terra, devo esconder-me de ti, tornando-me um fugitivo a vaguear sobre a terra; qualquer um que me encontrar me matará”. 15E o Senhor lhe disse: “Não! Mas aquele que matar Caim será punido sete vezes!” O Senhor pôs, então, um sinal em Caim, para que ninguém, ao encontrá-lo, o matasse. 25Adão conheceu de novo sua mulher. Ela deu à luz um filho, a quem chamou Set, dizendo: “O Senhor deu-me um outro descendente no lugar de Abel, que Caim matou”.

Salmo responsorial:  Sl 49(50),1 e 8.16bc-17.20-21 ()R.14a

R. Imola a Deus um sacrifício de louvor!

1Falou o Senhor Deus, chamou a terra, * do sol nascente ao sol poente a convocou. 8Eu não venho censurar teus sacrifícios, * pois sempre estão perante mim teus holocaustos; R.

16bComo ousas repetir os meus preceitos * 16ce trazer minha Aliança em tua boca? 17Tu que odiaste minhas leis e meus conselhos * e deste as costas às palavras dos meus lábios! R.

20Assentado, difamavas teu irmão, * e ao filho de tua mãe injuriavas. 21Diante disso que fizeste, eu calarei? * Acaso pensas que eu sou igual a ti? É disso que te acuso e repreendo * e manifesto essas coisas aos teus olhos. R.

Evangelho: Mc 8,11-13

Naquele tempo, 11os fariseus vieram e começaram a discutir com Jesus. E, para pô-lo à prova, pediam-lhe um sinal do céu. 12Mas Jesus deu um suspiro profundo e disse: “Por que esta gente pede um sinal? Em verdade vos digo, a esta gente não será dado nenhum sinal”. 13E, deixando-os, Jesus entrou de novo na barca e se dirigiu para a outra margem.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui