Liturgia Diária – 14 de abril

0
167

Quarta-feira da Segunda semana da Páscoa

Leituras da Missa

Santos em destaque

São Lamberto – Museu de Cluny, Paris (França)

São Lamberto de Lyon, Bispo (†688). Monge na abadia de Fontenelle, da qual se tornou superior após a morte de São Vandregisilo. Mais tarde foi eleito Bispo de Lyon.

São Bernardo de Tiron, abade (†1117). Superior do mosteiro de Tiron, perto de Chartres, França, instruiu e conduziu à perfeição evangélica os numerosos discípulos que a ele acorriam

São Tibúrcio , São Valeriano e São Máximo, mártires romanos do séc. III. Segundo a tradição, São Valeriano era esposo de Santa Cecília e irmão de São Tibúrcio; e São Máximo era um oficial romano martirizado junto com eles.

São Bento de Avignon (†1184). Jovem pastor graças ao qual, com o auxílio de Deus, foi construída em Avignon, França, uma ponte sobre o Rio Ródano.

Santa Ludovina, virgem (†1433). Na Holanda, suportou com paciência os sofrimentos corporais que a afligiram, oferecendo suas dores pela conversão dos pecadores e salvação das almas.

Beato Pedro González, presbítero (†1246). Foi cônego da Catedral de Palência, Espanha, antes de se tornar frade dominicano. Acompanhou como capelão a São Fernando de Castela e pregou especialmente aos pescadores e marinheiros, os quais o invocam pelo seu cognome de São Telmo.

Beata Isabel Calduch Rovira, virgem e mártir (†1936). Religiosa capuchinha presa, maltratada e fuzilada durante a perseguição religiosa na Espanha.

Ver todos os Santos deste dia no Martirológio Romano online

Leituras da Missa

Primeira leitura: At 5,17-26

Naqueles dias, 17levantaram-se o sumo sacerdote e todos os do seu partido – isto é, o partido dos saduceus – cheios de raiva 18e mandaram prender os apóstolos e lançá-los na cadeia pública. 19Porém, durante a noite, o anjo do Senhor abriu as portas da prisão e os fez sair, dizendo: 20“Ide falar ao povo, no templo, sobre tudo o que se refere a este modo de viver”. 21Eles obedeceram e, ao amanhecer, entraram no templo e começaram a ensinar. O sumo sacerdote chegou com os seus partidários e convocou o sinédrio e o conselho formado pelas pessoas importantes do povo de Israel. Então mandaram buscar os apóstolos à prisão. 22Mas, ao chegarem à prisão, os servos não os encontraram e voltaram, dizendo: 23“Encontramos a prisão fechada, com toda segurança, e os guardas estavam a postos na frente da porta. Mas, quando abrimos a porta, não encontramos ninguém lá dentro”. 24Ao ouvirem essa notícia, o chefe da guarda do templo e os sumos sacerdotes não sabiam o que pensar e perguntavam-se o que poderia ter acontecido. 25Chegou alguém que lhes disse: “Os homens que vós colocastes na prisão estão no templo ensinando o povo!” 26Então o chefe da guarda do templo saiu com os guardas e trouxe os apóstolos, mas sem violência, porque eles tinham medo que o povo os atacasse com pedras.

Salmo responsorial: Sl 33(34),2-3.4-5.6-7.8-9 (R.7a)
R. Este infeliz gritou a Deus, e foi ouvido. Ou: Aleluia, Aleluia, Aleluia

2Bendirei o Senhor Deus em todo o tempo,* seu louvor estará sempre em minha boca. 3Minha alma se gloria no Senhor;* que ouçam os humildes e se alegrem! R.

4Comigo engrandecei ao Senhor Deus,* exaltemos todos juntos o seu nome! 5Todas as vezes que o busquei, ele me ouviu,* e de todos os temores me livrou. R.

6Contemplai a sua face e alegrai-vos,* e vosso rosto não se cubra de vergonha! 7Este infeliz gritou a Deus, e foi ouvido,* e o Senhor o libertou de toda angústia. R.

8O anjo do Senhor vem acampar* ao redor dos que o temem, e os salva. 9Provai e vede quão suave é o Senhor!* Feliz o homem que tem nele o seu refúgio! R.

Evangelho: Jo 3,16-21

16Deus amou tanto o mundo, que deu o seu Filho unigênito, para que não morra todo o que nele crer, mas tenha a vida eterna. 17De fato, Deus não enviou o seu Filho ao mundo para condenar o mundo, mas para que o mundo seja salvo por ele. 18Quem nele crê não é condenado, mas quem não crê já está condenado, porque não acreditou no nome do Filho unigênito. 19Ora, o julgamento é este: a luz veio ao mundo, mas os homens preferiram as trevas à luz, porque suas ações eram más. 20Quem pratica o mal odeia a luz e não se aproxima da luz, para que suas ações não sejam denunciadas. 21Mas quem age conforme a verdade aproxima-se da luz, para que se manifeste que suas ações são realizadas em Deus.

Artigo anteriorLiturgia Diária – 13 de abril
Próximo artigoLiturgia Diária – 15 de abril
Redação
Artigos não assinados

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui