Liturgia Diária – 1 de dezembro

0
819

Quarta-feira da 1ª semana do Advento 

Leituras da Missa

Santos em destaque

Santo Elói, por Jean Bellegambe – Ermida, São Petersburgo (Rússia)

Santo Elói, Bispo (†660). Ourives de Limoges, França, e conselheiro do rei Dagoberto I. Ingressou na vida religiosa e fundou vários mosteiros antes de ser eleito Bispo de Noyon.

São Nahum, profeta do Antigo Testamento que, em suas exortações, mostrou Deus como regente da História e justo Juiz das nações.

Santos Edmundo Campion, Ralph Sherwin e Alexandre Briant, sacerdotes e mártires (†1581). Religiosos jesuítas, sofreram o martírio na Inglaterra durante o reinado de Isabel I.

São Donolo – Convento de São Francisco, Lima

São Donolo, Bispo (†581). Foi abade do Mosteiro de São Lourenço de Paris, e mais tarde Bispo de Le Mans, França. Resplandeceu pelo dom dos milagres.

Santa Florência, virgem (†séc.IV). Convertida por Santo Hilário, Bispo de Poitiers. Seguiu o santo bispo no exílio, retornou com ele à França e viveu como eremita em Comblé.

Beato João Beche, presbítero e mártir (†1539). Abade do mosteiro beneditino de Colchester, Inglaterra, condenado à morte durante o reinado de Henrique VIII.

Beato Casimiro Sykulski, mártir (†1941). Sacerdote polonês, capelão militar na Primeira Guerra Mundial. Dedicou-se amplamente aos trabalhos sociais e apostólicos. Por seus contínuos atos caritativos, foi detido durante a Segunda Guerra, levado ao campo de concentração de Auschwitz e fuzilado.

Beata Maria Clara do Menino Jesus, virgem (†1899). Fundou em Lisboa a Congregação das Irmãs Franciscanas Hospitaleiras da Imaculada Conceição.

Beata Liduína Meneguzzi, virgem (†1941). Missionária do Instituto de São Francisco de Sales, na Etiópia, praticou eximiamente a virtude da caridade cristã para com os pobres, enfermos e encarcerados.

Beata Clementina Nengapeta Anuarite, virgem e mártir (†1964). Religiosa da Congregação das Irmãs da Sagrada Família, martirizada durante uma furiosa perseguição na República do Congo.

Ver todos os Santos deste dia no Martirológio Romano online

Leituras da Missa

Primeira leitura: Is 25, 6-10a

Naquele dia: 6O Senhor dos exércitos dará neste monte, para todos os povos, um banquete de ricas iguarias, regado com vinho puro, servido de pratos deliciosos e dos mais finos vinhos. 7Ele removerá, neste monte, a ponta da cadeia que ligava todos os povos, a teia em que tinha envolvido todas as nações. 8O Senhor Deus eliminará para sempre a morte e enxugará as lágrimas de todas as faces e acabará com a desonra do seu povo em toda a terra, o Senhor o disse. 9Naquele dia, se dirá: ‘Este é o nosso Deus, esperamos nele, até que nos salvou; este é o Senhor, nele temos confiado: vamos alegrar-nos e exultar por nos ter salvo’. 10aE a mão do Senhor repousará sobre este monte.

Salmo responsorial: Sl 22(23), 1-3a.3b-4.5.6 (R. 6cd)

R. Na casa do Senhor habitarei pelos tempos infinitos.

1O Senhor é o pastor que me conduz; *não me falta coisa alguma. 2Pelos prados e campinas verdejantes *ele me leva a descansar. Para as águas repousantes me encaminha, *3ae restaura as minhas forças. R.

3bEle me guia no caminho mais seguro, *pela honra do seu nome. 4Mesmo que eu passe pelo vale tenebroso, *nenhum mal eu temerei. Estais comigo com bastão e com cajado, *eles me dão a segurança! R.

5Preparais à minha frente uma mesa, *bem à vista do inimigo; com óleo vós ungis minha cabeça, *e o meu cálice transborda. R.

6Felicidade e todo bem hão de seguir-me, *por toda a minha vida; e, na casa do Senhor, habitarei *pelos tempos infinitos. R.

Evangelho: Mt 15, 29-37

Naquele tempo: 29Jesus foi para as margens do mar da Galiléia, subiu a montanha, e sentou-se. 30Numerosas multidões aproximaram-se dele, levando consigo coxos, aleijados, cegos, mudos, e muitos outros doentes. Então os colocaram aos pés de Jesus. E ele os curou. 31O povo ficou admirado, quando viu os mudos falando, os aleijados sendo curados, os coxos andando e os cegos enxergando. E glorificaram o Deus de Israel. 32Jesus chamou seus discípulos e disse: ‘Tenho compaixão da multidão, porque já faz três dias que está comigo, e nada tem para comer. Não quero mandá-los embora com fome, para que não desmaiem pelo caminho.’ 33Os discípulos disseram: ‘Onde vamos buscar, neste deserto, tantos pães para saciar tão grande multidão?’ 34Jesus perguntou: ‘Quantos pães tendes?’ Eles responderam: ‘Sete, e alguns peixinhos’. 35E Jesus mandou que a multidão se sentasse pelo chão. 36Depois pegou os sete pães e os peixes, deu graças, partiu-os, e os dava aos discípulos, e os discípulos, às multidões. 37Todos comeram, e ficaram satisfeitos. e encheram sete cestos com os pedaços que sobraram.

Artigo anteriorLiturgia Diária – 30 de novembro
Artigo SeguinteRevista Arautos do Evangelho, Ano XX, nº 240, Dezembro 2021
Artigos não assinados

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here