Nota-se nas intervenções de Dona Lucilia um elemento comum: o desejo de gravar nos corações a certeza do auxílio que ela obterá para quem recorre com confiança à sua intercessão.

 

No decorrer do tempo, Dona Lucilia vem surpreendendo cada vez mais com os favores que ela obtém para todos os que, independentemente da situação na qual se encontram, recorrem a ela com verdadeira fé e confiança em sua intercessão.

Dona Lucilia e seu bisneto em 1956

Um problema inesperado

Assim aconteceu com Da. Luciana da Silva Sbeghen, residente em Mairiporã (SP). Diversos problemas com seu automóvel e uma mudança de residência resultaram em despesas que a deixaram em grandes dificuldades financeiras. Estas foram sendo vencidas aos poucos, mas, quando ela julgava haver passado o pior, um novo apuro veio bater à sua porta…

“Certo dia”, relata ela, “fui ao batizado do filho de uma amiga e, ao ligar o carro a fim de voltar para casa, todas as luzes do painel se acenderam; preocupada, pedi imediatamente a Dona Lucilia que aquilo fosse apenas um susto e não houvesse nenhum problema sério no carro, pois fazia pouco tempo que eu o tinha consertado e estava gastando muito com obras de manutenção na casa nova”.

Logo após chegar em sua residência, Da. Luciana enviou para um funcionário da concessionária um vídeo do painel com as luzes acesas, explicando-lhe o ocorrido. Este a preveniu de que não podia andar com o automóvel naquele estado, motivo pelo qual se tornou necessário mandá-lo de guincho para a revisão.

Continua ela: “Quando o veículo chegou à concessionária, um funcionário me telefonou. Pedi se ele poderia fazer apenas uma avaliação, pois me encontrava com o orçamento muito apertado e, acima de tudo, estava rezando para que fosse somente um susto. Horas depois ele me ligou e disse: ‘Da. Luciana, já tenho uma posição sobre seu carro. Há duas notícias, uma boa e uma ruim’. Perguntei-lhe: ‘Não pode ser só a boa?’ Então ele me informou que seria preciso trocar várias peças caras do carro, como a bomba de combustível, e que tudo ficaria em seis mil reais”.

Jeitosa intervenção de Dona Lucilia

Bem podemos imaginar o que isso significou para Da. Luciana… “Nesse momento, quase caí aos prantos; comuniquei que não tinha aquela quantia e, portanto, não poderia consertar o veículo. Mas ele disse para eu me acalmar e continuou a explicar: ‘A boa notícia é que vou lhe dar uma bonificação nas peças…’ Desconcertada, perguntei o sentido de suas palavras, pois meu veículo era de modelo antigo e estava fora da garantia”.

Qual não foi sua surpresa ao ouvir do funcionário a explicação: “Sou considerado, por votação, o melhor funcionário da minha empresa no Brasil. Por isso, recebo dez mil reais por ano para beneficiar quem eu quiser, e eu a escolhi, pois vi que a senhora tem uma imagem de Nossa Senhora das Graças no painel do seu carro e parece ser uma pessoa de muita fé! Continue sempre assim! Então a senhora pagará só quinhentos reais, pela mão de obra”.

Da. Luciana ficou tão perplexa que na hora nem conseguiu agradecer; apenas chorava por ver como Dona Lucilia havia resolvido o problema com sua habitual superabundância e agilidade: supriu a falta de recursos financeiros e fez com que o carro lhe fosse devolvido em condições melhores do que as anteriores.

Quando foi retirar o automóvel na concessionária, Da. Luciana narrou a história ao funcionário, o qual demonstrou significativa emoção. Deu-lhe então uma foto de Dona Lucilia, que ele osculou e guardou em sua carteira.

Vemos, assim, como esta senhora tão bondosa atende sempre àqueles que lhe apresentam suas angústias e problemas, mas exige deles algumas gotas de confiança em meio à perplexidade, para “conquistarem” o mérito de uma maior fé em sua intercessão.

Maternal intercessão

Residente também em Mairiporã, nos escreve Melissa Cunha para relatar como foi beneficiada por Dona Lucilia.

Estando desempregada e vendo-se na contingência de auxiliar a mãe a quitar diversas dívidas e arcar com as despesas da casa, Melissa rezava diariamente o Terço pedindo a Dona Lucilia a graça de conseguir um emprego.

A cada dia crescia a sua esperança no auxílio desta bondosa senhora, a qual não a defraudou. Passado algum tempo, ela recebeu uma mensagem avisando que lhe concediam o almejado emprego. Radiante de alegria, Melissa voltou a rezar à sua benfeitora, desta vez para agradecer o favor recebido. Desde então passou a considerar Dona Lucilia como sua madrinha, pois tinha a certeza de que ela estaria disposta a ajudá-la em qualquer situação.

Assim, quando sua sobrinha ficou doente, sem que nada a fizesse melhorar, Melissa já sabia a quem recorrer… Prometeu rezar diante de um quadro de sua “madrinha” caso a pequena se recuperasse, e o resultado não tardou em se verificar: já no dia seguinte sua irmã lhe telefonou para dizer que a menina estava em perfeitas condições de saúde.

Uma doença grave e súbita

O Sr. Fernando, diante da Basílica de Nossa Senhora do Rosário, em Caieiras (SP)

O Sr. Fernando Waldemar Reyes Palencia, da Guatemala, nos relata como Dona Lucilia interveio suave e eficazmente em sua vida numa fase em que sua saúde se abalara de forma inesperada.

Coronel reformado do Exército Guatemalteco, ele pratica triatlo há mais de quinze anos; este esporte exige muita robustez e força de vontade, pois consiste num conjunto de três provas olímpicas: cerca de mil e quinhentos metros de natação, dez quilômetros de corrida a pé e quarenta quilômetros de corrida em bicicleta. Certo dia, quando treinava em sua bicicleta para uma competição a ser realizada no norte do país, não conseguiu terminar o exercício pois começou a sentir uma forte dor nas costas.

De início supôs tratar-se apenas de um problema muscular sem importância, mas no domingo seguinte, ao receber a Sagrada Eucaristia na Santa Missa, a dor manifestou-se novamente, desta vez agravada por uma dificuldade de respirar. Caminhou com muito esforço até seu automóvel e, sentindo-se sem condições de dirigir, pediu ajuda a seu filho mais velho. Este chamou a assistência médica, que logo o transladou ao Hospital Nossa Senhora do Pilar, onde foi atendido na emergência por um médico amigo; devido à intensidade das dores, este e alguns outros especialistas suspeitaram tratar-se de um transtorno vesicular.

Desde o primeiro dia no hospital, foram-lhe aplicadas altas doses de morfina. Uma ressonância magnética revelou um quadro de pneumonia com presença de líquido no pulmão direito, que tornava necessário realizar uma drenagem.

O quadro fica cada vez pior

Na Casa-Mãe dos Arautos do Evangelho, em São Paulo

O Sr. Fernando foi logo transferido para a UTI. Tornou-se então muito difícil para ele conciliar o sono, pois, devido às dores intensas e à insuficiência respiratória, suportava apenas permanecer sentado. Nessa etapa todas as decisões relativas à sua saúde dependiam da família, já que em várias ocasiões ele estava inconsciente.

No amanhecer do dia seguinte ao seu ingresso na UTI, uma enfermeira que preparava medicamentos moveu acidentalmente o dreno torácico, o qual tocou alguns nervos, provocando-lhe terríveis dores durante duas horas. Isso levou o pneumologista a retirar o tubo, pois este, além de causar incômodos, tornara-se inútil para a drenagem do pulmão, uma vez que a matéria a ser retirada adquirira consistência gelatinosa.

Acompanhado desde o início por sua irmã – Da. Olgui de Ruiz, cooperadora dos Arautos do Evangelho – o Sr. Fernando pediu-lhe para chamar um sacerdote e determinada irmã dessa associação, com os quais tinha contato. O sacerdote logo compareceu e lhe administrou os Sacramentos da Confissão e da Unção dos Enfermos, mas a irmã não pôde atender a seu pedido, pois se encontrava em viagem.

Com o passar dos dias, a situação se agravava, pelo aumento da secreção no pulmão, o que exigia uma intervenção cirúrgica para limpeza. Entretanto, esta não podia ser feita, devido às precárias condições de saúde do Sr. Fernando e à persistência da bactéria causadora do mal.

“Passei esta noite conversando com a senhora da fotografia”

Assim relata o Sr. Fernando o desfecho do caso: “Em acordo com minha família, na manhã de 20 de janeiro os médicos decidiram operar-me e agendaram a intervenção cirúrgica para o dia seguinte. Ainda na noite do dia 20, chegou à Guatemala a irmã com quem eu desejava conversar, a qual foi diretamente do aeroporto para o hospital, a fim de visitar-me. Além de rezar e pedir a Deus pela minha saúde, ela me deu algumas fotografias de Nossa Senhora de Fátima e de Dona Lucilia, recomendando rezar a elas e fazer uma promessa a Dona Lucilia para recuperar minha saúde. Passei essa noite conversando com a senhora da fotografia e lhe prometi que, se ela me ajudasse a sair daquela situação, visitaria sua sepultura no Brasil”.

Seu pedido não tardou a ser atendido: embora tenha sido longa, a operação realizou-se sem complicações e suas condições de saúde começaram a melhorar. Depois de dois dias, ele deixou a UTI e, passados apenas cinco dias da intervenção cirúrgica, os médicos deram-lhe alta.

Tendo permanecido na casa de sua irmã durante a convalescença, o Sr. Fernando tomou o hábito de acompanhá-la todos os dias à Santa Missa celebrada na casa dos Arautos do Evangelho, embora o deslocamento ainda lhe fosse penoso. Ali pôde conhecer melhor a instituição, bem como a vida de Dr. Plinio Corrêa de Oliveira e de sua mãe, Dona Lucilia.

Soluções divinas, que a ciência não explica…

Sr. Fernando junto ao túmulo de Dona Lucilia, no Cemitério da Consolação

“Devido ao dano causado no pulmão, o prognóstico médico era de que eu só voltaria a caminhar normalmente dali a oito meses”, narra o Sr. Fernando. Contudo, para maior constatação da ajuda de Dona Lucilia, oito dias depois de ter saído do hospital ele já estava caminhando bem, sem oxigênio nem ajuda do andador.

“Na primeira consulta após minha saída do hospital, os médicos me perguntaram: ‘O que o senhor fez para em tão pouco tempo já estar andando?’ Respondi-lhes: ‘Foi um milagre de Dona Lucilia…’ Eles não compreendiam, mas eu sim”.

A recuperação decorreu de forma tão rápida que no dia 6 de fevereiro o Sr. Fernando assistiu à cerimônia de primeiro sábado, na casa dos Arautos do Evangelho; em 22 de março fez uma peregrinação ao Santuário do Cristo de Esquipulas, situado a duzentos e vinte quilômetros da cidade, acompanhado de um amigo. Em 24 de abril, apenas três meses após a cirurgia, retomou suas atividades esportivas, percorrendo oitenta quilômetros em bicicleta de corrida; essa melhora surpreendeu, não só aos médicos, mas a todos os que tinham conhecimento de sua enfermidade e das sequelas que ela normalmente deixa. Por fim, em 26 de abril consagrou-se a Nossa Senhora segundo o método de São Luís Maria Grignion de Montfort.

Com autorização do pneumologista, no dia 21 de junho, antes de se completarem seis meses de sua operação, o Sr. Fernando embarcou para o Brasil a fim de cumprir a promessa feita à sua celestial protetora. Chegando à cidade de São Paulo, dirigiu-se sem demora ao Cemitério da Consolação, onde repousam os restos mortais de Dona Lucilia.

E ele conclui seu relato: “Foi esta a primeira de minhas visitas e, no entanto, ainda se produzem em meu interior sensações indescritíveis quando me recordo da emoção e alegria em cumprir a promessa àquela que, do Céu, havia me ajudado a recuperar a saúde do corpo e, sobretudo, a da alma”.

*     *     *

Mais uma vez, esses fatos tornam patente a surpreendente intercessão de Dona Lucilia, ora rápida, ora exigindo persistência na oração, mas sempre minuciosa e maternal. Para cada caso, ela tem uma saída diferente, proporcionando às almas a serenidade que os pequenos e grandes problemas do dia a dia lhes fazem perder.

Nota-se, porém, nessas intervenções um elemento comum a todas: o desejo de gravar nos corações a certeza do auxílio que ela invariavelmente obterá do Sagrado Coração de Jesus para aqueles que lhe apresentam suas aflições e dificuldades com confiança. 

 

Na foto em destaque: Da. Luciana ao lado de um quadro de sua benfeitora

 

Artigo anteriorAcreditar nas Sagradas Escrituras: questão de fé ou de ciência?
Artigo SeguinteArautos no Mundo
Cooperadora dos Arautos do Evangelho

3 COMENTÁRIO

  1. Esta seção dos milagres da Senhora Dona Lucília e o que mais me encanta na Revista Arautos. Ver e conhecer um pouco mais dessa senhora tão bondosa que atende os mais diversos pedidos, sejam problemas financeiros, de saúde, familiares, enfim, como uma verdadeira mãezinha extremosa que nunca abandona seus filhos.

  2. Senhora dona Lucilia exemplo de mulher, esposa e mãe. Todos esses exemplos nos ajudam hoje a sermos melhores como mulher, esposa e mãe.

  3. Nossa querida intercessora, sempre socorrendo aqueles que com fé clamam. Bela matéria, assim mais pessoas poderão conhecer e se beneficiar de seu providencial auxílio materno.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here