Dia 25 de setembro

0
79

Sexta-feira da 25ª semana do Tempo Comum

Leituras da Missa

Santos em destaque

Família de Alfeu e de Maria de Cleofas – Museu de Belas Artes, Gante (Bélgica)

São Cléofas. Um dos discípulos de Emaús, ao lado dos quais caminhou o Senhor, explicando-lhe as Escrituras.

São Princípio, Bispo Soissons (França), irmão de São Remígio, séc VI.

São Firmino de Amiens, Bispo e mártir (†303?). Natural de Pamplona (Espanha). Após evangelizar diversas cidades da França atual, foi eleito Bispo de Amiens, onde morreu decapitado no cárcere.

Santo Anacário de Auxèrre, Bispo (†605). Irmão de Santa Austregilda. Em sua diocese cuidou muito da disciplina litúrgica e canônica.

São Sérgio de Radonez, (†1392). De nobre família russa. Fundou o mosteiro da Santíssima Trindade, em Moscou, e reformou a vida monástica na Rússia.

Beato Marcos Criado, presbítero e mártir (†1569). Religioso trinitário espanhol, lapidado pelos mouriscos nas montanhas de Alpujarras, Espanha.

Ver todos os Santos deste dia no Martirológio Romano online

Leituras da Missa

Primeira leitura: Ecl, 3,1-11

1Tudo tem seu tempo. Há um momento oportuno para tudo que acontece debaixo do céu. 2Tempo de nascer e tempo de morrer; tempo de plantar e tempo de colher a planta. 3Tempo de matar e tempo de salvar; tempo de destruir e tempo de construir. 4Tempo de chorar e tempo de rir; tempo de lamentar e tempo de dançar. 5Tempo de atirar pedras e tempo de as amontoar; tempo de abraçar e tempo de se separar. 6Tempo de buscar e tempo de perder; tempo de guardar e tempo de esbanjar. 7Tempo de rasgar e tempo de costurar; tempo de calar e tempo de falar. 8Tempo de amar e tempo de odiar; tempo de guerra e tempo de paz. 9Que proveito tira o trabalhador de seu esforço? 10Observei a tarefa que Deus impôs aos homens, para que nela se ocupassem. 11As coisas que ele fez são todas boas no tempo oportuno. Além disso, ele dispôs que fossem permanentes; no entanto o homem jamais chega a conhecer o princípio e o fim da ação que Deus realiza.

Salmo responsorial:  Sl143(144),1ae2abc.3-4(R/.1a)

R. Bendito seja o Senhor, meu rochedo.

1aBendito seja o Senhor, meu rochedo. 2aEle é meu amor, meu refúgio, blibertador, fortaleza e abrigo. cÉ meu escudo: é nele que espero. R.

3Que é o homem, Senhor, para vós? † Por que dele cuidais tanto assim e no filho do homem pensais? 4Como o sopro de vento é o homem, os seus dias são sombra que passa. R.

Evangelho: Lc 9,18-22

Aconteceu que Jesus 18estava rezando num lugar retirado, e os discípulos estavam com ele. Então, Jesus perguntou-lhes: “Quem diz o povo que eu sou?” 19Eles responderam: “Uns dizem que és João Batista; outros, que és Elias; mas outros acham que és algum dos antigos profetas que ressuscitou”. 20Mas Jesus perguntou: “E vós, quem dizeis que eu sou?” Pedro respondeu: “O Cristo de Deus”. 21Mas Jesus proibiu-lhes severamente que contassem isso a alguém. 22E acrescentou: “O Filho do Homem deve sofrer muito, ser rejeitado pelos anciãos, pelos sumos sacerdotes e doutores da Lei, deve ser morto e ressuscitar no terceiro dia”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui