Santos em destaque

São Januario – Museu de León, León (Espanha)

São Januário, Bispo e mártir (†305). Memória facultativa. Martirizado em Pozzuoli (Itália). Seu sangue, conservado na Catedral de Nápoles, se liquefaz milagrosamente, quatro vezes ao ano.

São Teodoro, Bispo (†690). Tinha quase 70 anos quando o Papa São Vitaliano o nomeou Bispo de Cantuária, Inglaterra.

São Mariano, eremita (†s. VI). Oriundo de honrada família de Bourges, França, abandonou o mundo para tornar-se eremita em Berry. Alimentava-se apenas de frutas silvestres e de mel.

São Carlos Hyon Sŏng-mun mártir (†1846). Catequista que muito trabalhou para a entrada de missionários na Coréia. Foi preso e decapitado junto com outros cristãos.

Santa Pomposa, virgem e mártir (†853). Decapitada em Córdoba (Espanha) durante a perseguição movida pelos mouros contra os cristãos.

Santa Maria de Cervelló, virgem (†1290). Primeira religiosa mercedária. Incansável na assistência aos pobres e enfermos, ficou conhecida como Maria do Socorro.

Santa Maria Emilia de Rodat, fundadora (†1852). Fundou em Villefranche, França, a Congregação da Sagrada Família, para a formação da juventude. Era grande devota da Santa Missa e da Via Sacra. Combateu o espírito jansenista que, com ares de humildade, pregava a escassa procura dos sacramentos.

Beata Francisca Cualladó Baixauli, virgem e mártir (†1936). Simples costureira, recitava o Rosário e participava da Eucaristia diariamente. Foi fuzilada em Benifaiós (Espanha).

Ver todos os Santos deste dia no Martirológio Romano online

Leituras da Missa

Primeira leitura: Sb 2,12.17-20

Os ímpios dizem: 12“Armemos ciladas ao justo, porque sua presença nos incomoda: ele se opõe ao nosso modo de agir, repreende em nós as transgressões da lei e nos reprova as faltas contra a nossa disciplina. 17Vejamos, pois, se é verdade o que ele diz e comprovemos o que vai acontecer com ele. 18Se, de fato, o justo é ‘filho de Deus’, Deus o defenderá e o livrará das mãos dos seus inimigos. 19Vamos pô-lo à prova com ofensas e torturas, para ver a sua serenidade e provar a sua paciência; 20vamos condená-lo a morte vergonhosa, porque, de acordo com suas palavras, virá alguém em seu socorro”. ­

Salmo responsorial: Sl 53(54), 3-4.5.6.8 (R. 6b)

R. É o Senhor quem sustenta minha vida!

3Por vosso nome, salvai-me, Senhor; *e dai-me a vossa justiça! 4Ó meu Deus, atendei minha prece *e escutai as palavras que eu digo! R.

5Pois contra mim orgulhosos se insurgem, e violentos perseguem-me a vida: *não há lugar para Deus aos seus olhos. 6Quem me protege e me ampara é meu Deus; *é o Senhor quem sustenta minha vida! R.

8Quero ofertar-vos o meu sacrifício *de coração e com muita alegria; quero louvar, ó Senhor, vosso nome, * quero cantar vosso nome que é bom! R.

Segunda leitura: Tg 3, 16-4,3

Caríssimos, 16onde há inveja e rivalidade, aí estão as desordens e toda espécie de obras más. 17Por outra parte, a sabedoria que vem do alto é, antes de tudo, pura, depois pacífica, modesta, conciliadora, cheia de misericórdia e de bons frutos, sem parcialidade e sem fingimento. 18O fruto da justiça é semeado na paz, para aqueles que promovem a paz. 4,1De onde vêm as guerras? De onde vêm as brigas entre vós? Não vêm, justamente, das paixões que estão em conflito dentro de vós? 2Cobiçais, mas não conseguis ter. Matais e cultivais inveja, mas não conseguis êxito. Brigais e fazeis guerra, mas não conseguis possuir. E a razão está em que não pedis. 3Pedis, sim, mas não recebeis, porque pedis mal. Pois só quereis esbanjar o pedido nos vossos prazeres.

Evangelho: Mc 9, 30-37

Naquele tempo, 30Jesus e seus discípulos atravessavam a Galileia. Ele não queria que ninguém soubesse disso, 31pois estava ensinando a seus discípulos. E dizia-lhes: “O Filho do Homem vai ser entregue nas mãos dos homens, e eles o matarão. Mas, três dias após sua morte, ele ressuscitará”. 32Os discípulos, porém, não compreendiam essas palavras e tinham medo de perguntar. 33Eles chegaram a Cafarnaum. Estando em casa, Jesus perguntou-lhes: “O que discutíeis pelo caminho?” 34Eles, porém, ficaram calados, pois pelo caminho tinham discutido quem era o maior. 35Jesus sentou-se, chamou os doze e lhes disse: “Se alguém quiser ser o primeiro, que seja o último de todos e aquele que serve a todos!” 36Em seguida, pegou uma criança, colocou-a no meio deles e, abraçando-a, disse: 37“Quem acolher em meu nome uma destas crianças é a mim que estará acolhendo. E quem me acolher está acolhendo não a mim, mas àquele que me enviou”.

Artigo anteriorLiturgia Diária – 18 de setembro
Próximo artigoLiturgia Diária – 20 de setembro
Artigos não assinados

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui