Liturgia Diária – 15 de novembro

0
446

Segunda-feira da 33ª semana do Tempo Comum

Leituras da Missa

Memória facultativa de Santo Alberto Magno, Bispo e doutor da Igreja.
Dominicano, nascido em 1206 na Baviera. Foi professor do grande São Tomás de Aquino.

Santos em destaque

São Desidério, Bispo (†655). Construiu muitas igrejas, mosteiros e edifícios de utilidade pública na sua Diocese de Cahors, França, não descuidando, entretanto, de tornar as almas verdadeiros templos de Cristo.

São José Pignatélli, sacerdote (†1811). Foi um dos restauradores da Companhia de Jesus na Espanha, após a supressão em 1773. Insigne pela caridade, humildade e integridade de costumes.

São Leopoldo (†1136). Príncipe austríaco cognominado “o Piedoso”. É venerado como Patrono da Áustria.

São Rafael de São José Kalinowski, presbítero (†1907). Recuperada a liberdade após muitos anos de trabalhos forçados na Sibéria, ingressou na Ordem Carmelita em Wadowice, Polônia.

Beato Caio Coreano, mártir (†1624). Por confessar a fé em Cristo, foi condenado à fogueira em Nagasaki, Japão.

São José Mikasa Balikuddembé, mártir (†1885). Prefeito do palácio real em Mengo, Uganda. Após
receber o batismo, converteu muitos jovens a Cristo e os protegeu do rei Mwenga. Por este motivo, aos 25 anos, foi degolado por ordem real.

Beata Lúcia Broccadelli, religiosa (†1544). Tanto na vida matrimonial quanto na Ordem Terceira de São Domingos, teve de suportar com paciência muitos sofrimentos e humilhações. Morreu no mosteiro por ela fundado em Ferrara, Itália.

Beata Maria da Paixão de Chappotin de Neuville, virgem (†1904). Fundou a Congregação das Irmãs Franciscanas Missionárias, empenhada especialmente em melhorar as condições da mulher em terras de missão.

Ver todos os Santos deste dia no Martirológio Romano online

Leituras da Missa

Primeira leitura: 1Mc 1,10-15.41-43.54-57.62-64

Naqueles dias: 10Brotou uma raiz iníqua, Antíoco Epífanes, filho do rei Antíoco. Estivera em Roma, como refém, e subiu ao trono no ano cento e trinta e sete da era dos gregos. 11Naqueles dias apareceram em Israel pessoas ímpias, que seduziram a muitos, dizendo: ‘Vamos fazer uma aliança com as nações vizinhas, pois, desde que nos isolamos delas, muitas desgraças nos aconteceram’. 12Estas palavras agradaram, 13e alguns do povo entusiasmaram-se e foram procurar o rei, que os autorizou a seguir os costumes pagãos. 14Edificaram em Jerusalém um ginásio, de acordo com as normas dos gentios. 15Aboliram o uso da circuncisão e renunciaram à aliança sagrada. Associaram-se com os pagãos e venderam-se para fazer o mal. 41Então o rei Antíoco publicou um decreto para todo o reino, ordenando que todos formassem um só povo, obrigando cada um a abandonar seus costumes particulares. 42Todos os pagãos acataram a ordem do rei 43e inclusive muitos israelitas adotaram sua religião, sacrificando aos ídolos e profanando o sábado. 54No dia quinze do mês de Casleu, no ano cento e quarenta e cinco, Antíoco fez erigir sobre o altar dos sacrifícios a Abominação da desolação. E pelas cidades circunvizinhas de Judá construíram altares. 55Queimavam incenso junto às portas das casas e nas ruas. 56Os livros da Lei, que lhes caíam nas mãos, eram atirados ao fogo, depois de rasgados. 57Em virtude do decreto real, era condenado à morte todo aquele em cuja casa fosse encontrado um livro da Aliança, assim como qualquer pessoa que continuasse a observar a Lei. 62Mas muitos israelitas resistiram e decidiram firmemente não comer alimentos impuros. 63Preferiram a morte a contaminar-se com aqueles alimentos. E, não querendo violar a aliança sagrada, esses foram trucidados. 64Uma cólera terrível se abateu sobre Israel.

Salmo responsorial: Sl 118(119), 53.61.134.150.155.158 (R. cf. 88)

R. Vivificai-me, ó Senhor, e guardarei vossa Aliança!

53Apodera-se de mim a indignação, *vendo que os ímpios abandonam vossa lei. R.

61Mesmo que os ímpios me amarrem com seus laços, *nem assim hei de esquecer a vossa lei. R.

134Libertai-me da opressão e da calúnia, *para que eu possa observar vossos preceitos! R.

150Meus opressores se aproximam com maldade; *como estão longe, ó Senhor, de vossa lei! R.

155Como estão longe de salvar-se os pecadores, *pois não procuram, ó Senhor, vossa vontade! R.

158Quando vejo os renegados, sinto nojo, *porque foram infiéis à vossa lei. R.

Evangelho: Lc 18, 35-43

35Quando Jesus se aproximava de Jericó, um cego estava sentado à beira do caminho, pedindo esmolas. 36Ouvindo a multidão passar, ele perguntou o que estava acontecendo. 37Disseram-lhe que Jesus Nazareno estava passando por ali. 38Então o cego gritou: ‘Jesus, filho de Davi, tem piedade de mim!’ 39As pessoas que iam na frente mandavam que ele ficasse calado. Mas ele gritava mais ainda: ‘Filho de Davi, tem piedade de mim!’ 40Jesus parou e mandou que levassem o cego até ele. Quando o cego chegou perto, Jesus perguntou: 41‘O que queres que eu faça por ti?’ O cego respondeu: ‘Senhor, eu quero enxergar de novo.’ 42Jesus disse: ‘Enxerga, pois, de novo. A tua fé te salvou.’ 43No mesmo instante, o cego começou a ver de novo e seguia Jesus, glorificando a Deus. Vendo isso, todo o povo deu louvores a Deus.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here