Jesus diria isso não só com o sentido de proteção, mas também de respeito, de dedicação, de admiração. “Que alma limpa! Que alma pura! Eu, Deus, autor e foco de toda a pureza, Me contemplo vendo este menino. E vejo nele um reflexo criado de Mim mesmo. Eu o criei para Me olhar e Me amar”.

Plinio Corrêa de Oliveira

Nosso Senhor com as crianças – Igreja Gesù, Miami (EUA)

 

Artigo anteriorDesafiadores dos ares
Próximo artigoLiturgia Diária – 2 de junho

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui