Destituído de qualquer princípio verdadeiro, aquele homem se colocava sempre ao lado do vencedor, fiel ao seu eterno partido, o da maioria… Seria esse um personagem do passado, ou de nossos dias?

 

Naquele parlamento muitos falavam, outros gritavam, alguns vociferavam palavras vazias; todos ao mesmo tempo, sem ordem nem respeito. Num canto, um homem analisava a cena: enquanto a maioria disputava a palavra, ele guardava silêncio, atento à atitude dos circunstantes. O personagem era magro, de olhar frio, nariz aquilino; nada nele possuía estética, tudo era anguloso e de aspecto sombrio.

Iniciou-se, então, uma votação: “Sim”, diziam os mais atrevidos; “Não”, murmuravam alguns. O homem esquálido esperava o momento decisivo, pois não gostava de manifestar sua opinião antes de ter avaliado bem o que mais lhe seria proveitoso. A certa altura, aquele que, horas antes, havia escrito um discurso a favor do “não”, foi chamado. “O bom calculador contara os votos e verificara que ia ficar na minoria, o único partido ao qual ele nunca pertencerá, e subindo à tribuna com o seu passo silencioso, murmurou: ‘A morte’”.1

Apenas pronunciou o seu voto, os olhares se voltaram para ele. Seus amigos sentiram a punhalada que acabavam de receber, sem entender o jogo que executava; seus inimigos abriram um cínico sorriso de aprovação. Na verdade, tratava-se de alguém que, “devido à sua reserva sutil, à audácia de não ter nenhum caráter, à sua ausência completa de convicções”,2 sempre se colocava, “tranquilamente e sem perigo, ao lado do vencedor, no seu eterno partido, o da maioria”.3

Retrato de Joseph Fouché – Palácio de Versailles (França)

Joseph Fouché4 acabava de se tornar um regicida.

Seu ideal: ver-se livre de qualquer convicção

Era o dia 16 de janeiro de 1793. Por instantes o destino de Luís XVI passou pelas mãos maculadas daquele homem, cujo ideal era o de ver-se livre de qualquer convicção. E ele optou por sentenciá-lo à morte. Em consequência, a guilhotina, inclemente e intolerante, deceparia dias depois a cabeça do rei da França.

Quando Fouché saiu do parlamento, o clima estava cinzento. Depois de haver cometido tão horrendo crime, o deputado de angulosa fisionomia caminhava tranquilamente pelas ruas de Paris, agitadas por uma população em algazarra.

Quiçá, ao longo de seu trajeto, tenha buscado justificar-se perante os assaltos da consciência pesarosa, pensando: “Embora por muito tempo investido de um poder oculto e terrível, dele apenas me servi para acalmar paixões, dissolver os partidos e evitar as revoltas. Eu, que tanto me esforcei em moderar e abrandar o poder, em conciliar ou fundir os elementos contrários e os interesses opostos que dividiam a França”.5

Com efeito, a enganosa bandeira do consenso sempre tremula quando, sendo necessário tomar uma decisão firme, baseada em princípios verdadeiros, capitula-se diante da mesquinha maioria, por medo ou por interesse.6

Por espírito de consenso, negam-se as convicções

Mas por que recordar esse fato histórico, ocorrido há mais de dois séculos? Terá ele algum ensinamento para os nossos dias?

Num mundo de instabilidade, insegurança e, portanto, de incerteza, como este em que vivemos, se as nossas convicções em relação ao bem, à Igreja e a Deus não estão muito firmes, elas cambalearão diante da pressão psicológica ou até da perseguição aberta feitas por aqueles que visam desfigurar ou destruir qualquer presença do sobrenatural na terra. Pois o instinto de sociabilidade impele todo homem a querer “ficar bem” com os demais, ainda que isso suponha renegar os princípios adquiridos.

Um exemplo paradigmático dessa realidade se encontra na Paixão de Nosso Senhor: a mesma população que O saudou com hosanas no Domingo de Ramos, poucos dias depois – por espírito de consenso – vociferou o “Crucifica-O”, cometendo o pior dos pecados da História, o deicídio.

Como, então, adquirir convicções firmes, capazes de vencer qualquer desafio? Onde alicerçá-las?

As convicções inabaláveis só nascem da fé

Ao explicar a definição de fé contida na Carta aos Hebreus – “a fé é a substância das coisas que se devem esperar e a prova do que não se vê” (11, 1) –, São Tomás de Aquino observa que o termo prova está empregado aqui com vistas a indicar seu efeito: pela prova o intelecto é induzido a aderir a uma verdade da fé, que não se comprova pelos sentidos. “Por isso, uma outra versão usa a palavra convicção, o que significa que, pela autoridade divina, o intelecto do crente é convencido a aderir àquilo que não vê”.7

Portanto, quando a convicção provém da fé, ela se robustece, lançando fora qualquer dúvida: “Ao dizer prova, distingue-se a fé da opinião, da suspeita e da dúvida, pelas quais a primeira adesão do intelecto a alguma coisa não é firme”.8

O Doutor Angélico não se detém, contudo, em meras elucubrações intelectuais. Mais adiante afirma que “à fé se refere não somente a crença do coração, mas também a manifestação dessa fé interior por palavras e procedimentos exteriores”.9

Assim sendo, quando a convicção é fruto da fé, ela tende a se expressar em atitudes concretas, de maneira que, quanto mais a alma se fortalece nesta virtude, mais a vontade adere aos princípios. E como as virtudes são irmãs, a caridade, auxiliada pelas certezas da fé, se acrisola, fazendo com que os atos de amor se tornem mais firmes e profundos.

Ai dos “Fouchés” contemporâneos!

À luz dessa doutrina, surgem algumas perguntas para cada um de nós. Diante da perseguição que a verdadeira Igreja sofre em tantos ambientes, de que lado ficarei? Se me for pedido renegar os meus princípios cristãos em favor da opinião geral, o que responderei? Serei contado entre os seguidores do consenso unanimista?

Queira Deus que estejamos sempre firmes na fé, inabaláveis na esperança e ardentes na caridade (cf. Col 1, 23), para não acontecer de descobrirmos que as fortes convicções que julgávamos ter na realidade eram frutos pecos de um deletério consenso. Diante deste, nunca dobremos nossa inteligência nem nossa vontade, quais infames “Fouchés” contemporâneos.

 

Notas

1 ZWEIG, Stefan. Joseph Fouché. Retrato de um homem político. Rio de Janeiro: Guanabara, 1942, p.33.
2 Idem, p.30.
3 Idem, p.37.
4 Joseph Fouché foi influente e discreto político durante a Revolução Francesa, e dela saiu ileso; chegou a ser Ministro da Polícia no Diretório e durante o período napoleônico.
5 FOUCHÉ, Joseph. Memórias sobre Fouché. São Paulo: José Olympio, 1946, p.11.
6 Observa Margaret Thatcher, ex-primeira-ministra do Reino Unido: “Para mim o consenso parece ser o processo do abandono de todas as crenças, princípios, valores e políticas, em busca de algo em que ninguém acredita, mas ao qual ninguém se opõe; o processo de evitar os problemas que precisam ser resolvidos, simplesmente porque não se consegue chegar a um acordo no caminho a seguir. Que grande causa lutou e venceu sob a bandeira ‘Eu represento o consenso?’” (THATCHER, Margaret. Speech at Monash University, 6 out. 1981. In: www.margaretthatcher.org).
7 SÃO TOMÁS DE AQUINO. Suma Teológica. II-II, q.4, a.1.
8 Idem, ibidem.
9 Idem, q.12, a.1, ad 2.

 

Artigo anteriorEscondido nas brumas da História… um rei mártir!
Próximo artigoNossa Senhora do Santíssimo Sacramento

1 COMENTÁRIO

  1. Oportuno artigo Vinícius, parabéns!
    Salve Maria!
    Hoje vimos muito desse exemplo. As pessoas vão pela onda sem a mínima convicção. Defendem até o mal sem percepção.
    Que a Santa Igreja Católica Apostólica Romana consiga, à luz do Divino Espírito Santo, revelar o verdadeiro caminho à santidade.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui