Santa Teresa de Jesus


Santa Teresa de Jesus - História dos Santos e Anjos - Revista Católica Arautos do Evangelho Dotada de grande personalidade, sublimada pelas mais altas ações da graça, a matriarca da Ordem Carmelitana está entre as almas tão unidas a Deus que, por assim dizer, personificam a grandeza.

 

Santa Teresa de Jesus

Grande dama, grande freira, grande santa

 

Ao raiar do dia, um belo espetáculo se contempla do alto da Serra da Cantareira, a poucos quilômetros da cidade de São Paulo. As trevas cedem espaço ao diáfano azul da abóbada celeste e as nuvens, que em vão tentam cobri-la, gradualmente se tornam cor de fogo. Em instantes o vermelho se transforma em dourado e, no horizonte, lento e majestoso desponta o Sol, pintando com tons vivos a natureza. Diante de tão grandioso panorama, quase por instinto o espectador se sente tomado de admiração e impulsionado a pensar na magnificência de seu Autor.
Santa Teresa de Jesus - História dos Santos e Anjos - Revista Católica Arautos do Evangelho

Monasterio de Santa Teresa – Ávila, España

Ora, se o esplendor de algo material é capaz de reportar de tal forma ao Criador, com maior razão uma alma divinizada pela graça, mais valiosa do que o bem natural de todo o Universo! Na verdade, pessoas há tão unidas a Deus que, por assim dizer, personificam a grandeza, pois nelas resplandece a luz da vida divina presente em alto grau no seu interior.
Uma destas almas se destacou no século XVI. “Possuía inteligência vasta e privilegiada, ao mesmo tempo matizada e forte, talhada para altos voos. Além disso, [era] dotada de uma vontade firme e sensibilidade controlada por inteiro. […] Era, em última análise, a grandeza da personalidade humana num de seus exemplares mais privilegiados na ordem da natureza, refugindo com sublimidades da graça e dando uma ideia completa do que seria o tipo perfeito da religiosa matriarca”.

Com tal perfeição e fidelidade realizou os planos traçados por Deus para ela, que a grandeza se incorporou ao seu nome: Santa Teresa de Jesus, a Grande.

Enfermidade e convite para a contemplação

Nasceu Teresa de Cepeda y Ahumada em 28 de março de 1515, em Gotarrendura, província de Ávila, no seio de uma numerosa família da pequena nobreza castelhana. Desde menina se interessava por histórias da vida dos santos, e quando soube dos feitos dos primeiros mártires, pensou ser esta via uma linha reta para o Céu. Decidiu, então, fugir com o irmãozinho Rodrigo para o país dos mouros, a fim de ali entregarem suas vidas em defesa da Fé. Já estavam bem distantes das muralhas da cidade quando um tio conseguiu localizá-los e os regressou ao lar.

Havendo perdido a mãe com apenas 14 anos, Teresa entregou-se nas mãos de Nossa Senhora, tomando-A por única Mãe. Aos vinte anos, ingressou no Mosteiro Carmelita da Encarnação, de Ávila — a princípio contra a vontade do pai —, onde emitiu os votos um ano depois.

Ali viviam quase 200 religiosas sob a regra mitigada do Monte Carmelo. Irmã Teresa recebeu uma espaçosa cela, junto com a liberdade de atender visitas a qualquer hora e ir à cidade por qualquer motivo. Era costume passarem as freiras horas conversando no locutório, convertido em uma espécie de centro de reuniões sociais.
Sem embargo, a cruz, elemento essencial da grandeza, não tardou a se apresentar àquela alma escolhida. Pouco depois da profissão religiosa, sua saúde se debilitara de tal modo que o pai, Alonso de Cepeda, obteve permissão para levá-la ao povoado de Becedas, onde morava uma senhora cujos tratamentos médicos possuíam fama de eficazes. Na viagem, Teresa conheceu a oração mental através do livro Terceiro Alfabeto Espiritual, do padre Francisco de Osuna, sentindo-se convidada à vida de contemplação.
Os tratamentos, entretanto, não produziram o resultado esperado: “No fim de dois meses, à força de remédios, minha vida se acabava”. De regresso à casa paterna, uma contração muscular fortíssima deixou-a sem sentidos por quase quatro dias. Tê-la-iam enterrado se o pai não tivesse se oposto. Ao despertar, seu estado era lamentável: “fiquei encolhida, como que enovelada. Parecia morta, incapaz de mover braços, pés, mãos e cabeça”.
Mesmo nessas condições, Teresa desejava retornar logo ao convento. Sua alma, como a de Jó (cf. 2, 10), encontrava-se em excelentes disposições: “Estava muito conformada com a vontade de Deus, ainda mesmo que me deixasse sempre naquele estado. Se desejava sarar, era unicamente para ter solidão, como antes, e fazer oração”.call-evangelho

Após três anos de paralisia, suas orações a São José lhe obtiveram a cura e, a partir daquele momento, a devoção ao Santo Patriarca se tornou primordial em sua vida.

Luta interior e paz de alma

Com a saúde um tanto débil, Teresa retomou a vida comunitária, na Encarnação. Contudo, ali ficava dissipada, descuidando-se da oração interior na qual tanto progredira durante sua enfermidade. Aquele mosteiro havia perdido o primeiro fervor da vocação e se afastado do espírito carmelita. No locutório, aberto as senhoras da sociedade, conversava-se com frequência sobre frivolidades e vaidades mundanas, e tudo isso acabou tendo uma influência negativa sobre a vida espiritual da Santa.

Passado algum tempo, a conselho do Frei Vicente Varrón, sacerdote dominicano, retomou o hábito de rezar mentalmente, embora isso lhe significasse, no início, travar uma verdadeira luta contra si mesma: “na verdade, para não ir à oração, era tão insuportável a violência que o demônio me fazia — ou o meu mau costume — e tal a tristeza que me dava ao entrar no oratório, que para me vencer precisava valer-me de todo o meu ânimo, que, dizem, não é pequeno. Com efeito, tem-se visto que Deus me deu coragem superior a das mulheres, mas a tenho empregado mal. Por fim, ajudava-me o Senhor”.

Certo dia, rezando em seu oratório, ao perceber como suas conversas fúteis haviam aumentado as dores de Cristo, sentiu tão vivamente pesar por suas faltas, que se jogou aos pés de uma imagem de Nosso Senhor chagado prometendo não se levantar dali enquanto Ele não a fortalecesse para não ofendê-Lo mais. “Porfié y valióme  — Insisti e Ele me valeu”, diria mais tarde, contando o episódio.

Minha alma” — conta ela no Livro da Vida, sua autobiografia — “recebeu grandes forças da divina Majestade, que deve ter ouvido meus clamores, compadecendo-se de tantas lágrimas. Começou a crescer em mim o gosto de estar mais tempo com o Senhor”. E acrescenta: “Quando interiormente me figurava estar junto de Cristo, […] ocorria-me de repente tal sentimento da presença de Deus, que de modo algum podia duvidar que o Senhor estivesse dentro de mim, e eu, toda mergulhada n’Ele”.

Deus a faz passar pelo cadinho das provações

Crescia na intimidade com Deus a Santa carmelita por meio desta prática da oração, quando as tentações começaram a aparecer. Queria o Altíssimo fazê-la passar pelo cadinho das provações. Mas, se a investida das ondas encapeladas engrandece com seus golpes o rochedo que se eleva altaneiro à beira do mar, também os vagalhões da provação, quando enfrentados com confiança e ufania, fazem as grandes almas crescerem ainda mais.

Santa Teresa de Jesus - História dos Santos e Anjos - Revista Católica Arautos do Evangelho

Catedral de Sevilla, España

Como naquela época verificavam-se nas mulheres grandes ilusões e enganos do demônio, comecei a temer, pois era tão grande a felicidade e doçura, muitas vezes sem o poder evitar”. Falaram-lhe, então, do padre Gaspar Daza — quem mais tarde muito a ajudou e apoiou na reforma carmelitana — como o homem que poderia ajudá-la a discernir a origem dessa alegria. Era ele um teólogo de fama, “espelho de virtude para toda a cidade, como pessoa enviada por Deus para a salvação e aproveitamento de muitas almas”.12 Conheceu-o por meio de Francisco Salcedo, santo e virtuoso fidalgo, em algo aparentado com ela.

O teólogo analisou seu caso e mandou-lhe dizer que o convívio que dizia ter com Deus na oração mental não passava de imaginação e obra do maligno. Ademais, a fama da religiosa carmelita se havia espalhado pela cidade e, em pouco tempo, muitos eram da opinião de estar a beata da Encarnação endemoniada. Teresa mantinha no fundo da alma “a convicção de que [aquilo] era obra de Deus, sobretudo quando estava em oração”, pois nessas ocasiões sempre se sentia “melhor e mais forte”. Não obstante, seu coração se inquietava: “Grande é, não há dúvida, a aflição que se passa. Torna-se necessário usar de prudência, especialmente tratando-se de mulheres. É muita a sua fraqueza, e poderia causar grande mal dizer-lhes, positivamente, que estão sob a ação do demônio”.

Aconselhada pelo próprio padre Daza, buscou apoio nos jesuítas, aos quais tomou por confessores, pois compreendiam bem a linguagem da via espiritual que lhe havia sido traçado pela Providência. Alentaram-na nesse terrível período os conselhos de São Francisco de Borja e, mais adiante, do franciscano São Pedro de Alcântara.

Cristo parecia andar sempre a seu lado

Já não quero que fales com os homens, senão com os Anjos”, foram as palavras ouvidas por Teresa no primeiro êxtase que lhe concedeu a graça divina. “Desde aquele dia, fiquei tão animada a deixar tudo por Deus, como se naquele exato momento — que não me parece ter sido mais — Ele tivesse querido transformar a sua serva”. A par das provações, agora Cristo continuava a falar-lhe com frequência e parecia andar sempre a seu lado: “Não havia ocasião em que me recolhesse um pouco, ou não estivesse muito distraída, que não O sentisse junto de mim”.

Não era raro, nessas intimidades com Jesus, sentir na alma o fogo do amor divino. Mais de uma vez chegou a ter seu coração transverberado por um Anjo, deixando-lhe as marcas físicas de uma perfuração: “Aprouve o Senhor favorecer-me algumas vezes com esta visão. Via um Anjo perto de mim […]. call-arautosVia-lhe nas mãos um comprido dardo de ouro. Na ponta de ferro julguei haver um pouco de fogo. Parecia algumas vezes metê-lo pelo meu coração adentro, de modo que chegava às entranhas. Ao tirá-lo tinha eu a impressão de que as levava consigo, deixando-me toda abrasada em grande amor de Deus. Era tão intensa a dor, que me fazia dar os gemidos de que falei. Essa dor imensa produz tão excessiva suavidade, que não se deseja o seu fim, nem a alma se contenta com menos do que com Deus”.

Não é tempo de tratar com Deus assuntos de pouca importância…

Depois de uma visão do inferno, por volta de 1560, se desvendou em sua alma a grande missão que lhe estava reservada. Ao conhecer os assombrosos tormentos dos precitos, sentiu ela imensa compaixão por ver o grande número de almas que se condenavam. Penalizava-a sobremaneira a situação da Santa Igreja, pois lhe chegavam notícias dos danos causados naquela época pelas seitas que começavam a se disseminar pela Europa. Via com amargura quanta gente se afastava de Deus e quão poucos eram os seus amigos.

Passou a se perguntar, então, o que poderia fazer para ser útil à Igreja nessa terrível encruzilhada: “convenci-me de que a primeira coisa era seguir o que Sua Majestade tivera em vista quando me chamou à vida religiosa, e guardar minha Regra com a maior perfeição possível”. E aconselhava às suas irmãs de vocação: “ocupadas todas em orações pelos defensores da Igreja, pregadores e letrados que a sustentam, ajudaríamos, no que estivesse ao nosso alcance, a este meu Senhor, tão atribulado por aqueles a quem fizera tanto bem”.

A partir desta resolução, sua vida foi marcada por um crescente amor à sua Ordem Religiosa, não pensando em seu proveito espiritual, mas em servir ao Corpo Místico de Cristo, por cuja causa seu coração consumia-se de zelo. “Olhai, Deus meu, para os meus desejos e para as lágrimas com que Vos faço esta súplica! […] Lastimai tantas almas que se perdem e favorecei a vossa Igreja! Não permitais semelhantes danos na Cristandade, Senhor!”.call-papa

Via, sobretudo, a necessidade de reformar o Carmelo e sentia o apelo da Providência para realizar essa missão. Desejava comunidades que não fossem meros refúgios de almas contemplativas, preocupadas em fruir e gozar do convívio divino, mas verdadeiras tochas de amor ocupadas em reparar o mal que era feito à Igreja. “O mundo está pegando fogo. Querem, por assim dizer, de novo sentenciar a Cristo, levantam-lhe mil testemunhos falsos. Pretendem lançar por terra a sua Igreja. […] Não, irmãs, não é tempo de tratar com Deus assuntos de pouca importância!”.

Fundação de São José e início da Reforma do Carmelo

Esse desejo de fundar casas religiosas de estrita observância à Regra carmelitana primitiva logo foi confirmado e encorajado por Nosso Senhor. “Um dia, depois da comunhão, Sua Majestade me mandou expressamente que trabalhasse nessa empresa com todas as minhas forças. Fez grandes promessas de que não se deixaria de fundar o mosteiro, no qual Ele seria muito bem servido. Disse-me que devia ser dedicado a São José. Este glorioso Santo nos guardaria a uma porta, Nossa Senhora à outra, e Cristo andaria conosco. A nova casa se tornaria uma estrela da qual se irradiaria grande esplendor. […] Disse-me ainda que refletisse no que seria o mundo se não houvesse religiosos”.

Não recebeu, todavia, o mesmo apoio da parte de seus superiores, de suas irmãs de hábito e da sociedade de Ávila… Foi só com muita prudência e o apoio de vários homens de Deus — entre eles São Pedro de Alcântara, São Luís Beltrão, o Bispo de Ávila, o padre Gaspar Daza, entre outros — que pôde superar as oposições levantadas e levar a cabo as reformas necessárias.

Ajudada por alguns amigos adquiriu, na própria cidade de Ávila, uma minúscula casa em precárias condições destinada a ser o novo mosteiro. Abraçado o empreendimento, começaram as provas: uma parede que estava sendo refeita caiu sobre seu sobrinho pequeno; seu cunhado, que dirigia os trabalhos, ficou enfermo; a bula papal aprovando aquela fundação chegou incompleta de Roma… E quando, no momento decisivo, amanheceu desabada mais uma parede da casa, construída com os últimos ducados que a irmã Teresa conseguira, a tentação de desânimo ameaçou a todos. Ela, porém, olhando para os destroços, disse: “Se caiu, tornemos a levantar”.

Por fim, com as autorizações necessárias, em 24 de agosto de 1562, celebrou-se a primeira Missa no Mosteiro de São José, de Ávila, o primogênito dentre os Carmelos reformados. Na mais estrita pobreza e clausura, Teresa pôs-se a formar suas freiras, mostrando-lhes a força da vida comunitária bem levada, na obediência e na alegria.

Lembrava-lhes sempre o principal motivo pelo qual haviam consagrado suas vidas: “Se para isto tivermos valimento junto de Deus, enclausuradas, pelejemos por Ele. Darei por muito bem empregados os sofrimentos pelos quais passei para fazer este cantinho, onde desejava que se guardasse com a perfeição primitiva a Regra de nossa Imperatriz e Senhora”.

A grande Teresa, ontem e hoje

Esse modo radical de viver logo atraiu muitas novas vocações. Quando Santa Teresa entrou na eternidade, em 1582, deixou fundados mais de 20 mosteiros do ramo reformado, femininos e masculinos. No entanto, como sempre acontece com aqueles muito chamados, a árvore por ela plantada continuou, após sua morte, dando inestimáveis frutos para a Igreja nos cinco continentes.

Passados 450 anos da fundação do primeiro desses mosteiros, o Papa Bento XVI achou conveniente lembrar a conjuntura na qual viveu a Santa mística e o quanto aquela situação nos parece familiar. Para o Santo Padre, a reflexão da santa carmelita permanece atualíssima, luminosa e interpeladora. “Também hoje, como no século XVI, e entre rápidas transformações, é preciso que a oração confiante seja a alma do apostolado, para que ressoe com clareza evidente e dinamismo pujante a mensagem redentora de Jesus Cristo. É urgente que a Palavra de vida vibre nas almas de forma harmoniosa, com notas sonoras e atraentes. […] Seguindo os passos de Teresa de Jesus, permiti-me dizer a quantos têm o futuro à sua frente: aspirai também vós a ser totalmente de Jesus, só de Jesus e sempre de Jesus. Não tenhais medo de o dizer a Nosso Senhor, como ela fez: ‘Sou vossa, para Vós nasci; o que quereis fazer de mim?’ (Poesia 2)”.call-historias

Atendendo ao apelo divino, soube Santa Teresa identificar com galhardia os objetivos de sua vida com os de Deus, passando para a História como “uma grande dama, uma grande mulher, uma grande freira e grande santa”. Por isso, canta com propriedade o introito da Missa em seu louvor: “Deu-lhe o Senhor sabedoria e prudência em abundância, e a grandeza do coração como as areias das praias do mar”.